Trânsito vai passar por reforma para criar corredores exclusivos

Além de trincheira, que começou a ser construída nesta terça, estão previstos quatro novos viadutos

iG Minas Gerais | bernardo miranda |

Gargalos. Na imagem, rua estreita do bairro Água Branca, que sofre com o trânsito intenso
Lincon Zarbietti / O Tempo
Gargalos. Na imagem, rua estreita do bairro Água Branca, que sofre com o trânsito intenso

A Trincheira do Itaú, que começou a ser construída nesta terça, é a primeira de uma série de intervenções no trânsito de Contagem, na região metropolitana. A intenção é promover uma reforma na mobilidade da cidade, criando corredores exclusivos de ônibus, nos moldes do Move. Para isso, outras quatro obras têm início previsto até 2016 – não há data para conclusão. Elas vão possibilitar a ligação entre quatro importantes regiões do município: Petrolândia, Industrial, Ressaca e Sede.

Entre as intervenções está a construção de um viaduto sobre a Via Expressa, ligando os bairros Bernardo Monteiro e Petrolândia. A licitação já foi realizada. Nos próximos dias deve ser publicado o edital de licitação para a obra do viaduto da avenida das Américas, sobre outra avenida, a Severino Ballesteros. Para os próximos meses estão previstas as publicações das concorrências para os viadutos das avenidas das Américas e Teleférico, ambos sobre a BR–040. “Vamos fazer o maior esforço possível para concluir as obras de forma mais ágil. Os usuários do transporte público serão os maiores beneficiários. Queremos aumentar a velocidade dos ônibus e reduzir o tempo de viagem”, afirmou o prefeito de Contagem, Carlin Moura. Processo. Apesar da promessa de beneficiar o usuário de transporte público, ele será o último a sentir os efeitos das mudanças. Isso porque os corredores só começarão a ser implantados quando todas as cinco intervenções, incluindo a Trincheira do Itaú, estiverem prontas. Só aí começarão as obras para implantar os corredores com faixas exclusivas, como explica o vice-presidente da Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes de Contagem (Transcon), Rodrigo Tomaz. “Para fazer os corredores, é preciso que essas obras estejam prontas. Só com esses viadutos e trincheiras será viável fazer a ligação entre as regiões com os corredores exclusivos de ônibus e as estações”, explicou. As faixas exclusivas que irão fazer parte dos corredores interligando as regiões serão implantadas nas avenidas já existentes em Contagem. Serão três trajetos, Industrial/Ressaca, Industrial/Sede e Petrolândia/Ressaca. A prefeitura informou que já tem uma ideia do trajeto a ser percorrido pelos ônibus, mas a definição só será feita quando for concluído o projeto executivo, em elaboração. 

PAC Verba. Os recursos para as cinco obras (incluindo a trincheira) fazem parte do Programa de Aceleração do Desenvolvimento, o PAC Mobilidade. Ao todo, R$ 220 milhões serão repassados à prefeitura. 

Defasagem eleva dependência O professor do departamento de Engenharia de Tráfego da Fumec Márcio Aguiar destaca que há uma defasagem histórica de ligação entre os bairros de Contagem, aumentando a dependência dos moradores com municípios vizinhos. “Contagem é muito espalhada, cortada por duas rodovias e por uma via expressa. Isso dificulta que os moradores de uma região da cidade frequentem outras regiões; eles preferem ir para Belo Horizonte ou Betim”. Aguiar destaca que essa característica faz a cidade perder até mesmo arrecadação, já que o consumo é gerado em outros locais. “As obras previstas vão fazer Contagem se comunicar com Contagem”, concluiu.

Faixas segregadas são desafio O desafio da implantação das faixas para ônibus em Contagem, na região metropolitana, será garantir que elas estejam fisicamente separadas das pistas dos demais veículos. “Poucas avenidas de Contagem são largas o suficiente para implantação de corredores segregados. Isso terá que ser bem estudado, pois em Belo Horizonte o Move funcionou onde havia o corredor, mas, onde depende apenas da faixa exclusiva, ainda sofre com congestionamentos”, analisou o professor do departamento de Engenharia de Tráfego da Fumec Márcio Aguiar. Em Belo Horizonte, as faixas segregadas estão nas avenidas Antônio Carlos e Cristiano Machado. O prefeito Carlin Moura salientou que a experiência do Move na capital será usada na elaboração do projeto de corredores de ônibus na cidade. “Vamos fazer procurando corrigir (os erros), com um processo melhor, viabilizando a integração para poder aumentar a velocidade do ônibus da melhor forma possível”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave