Para Cafu, 7 a 1 foi 'surreal' e falta orgulho a atletas da seleção

Ex-capitão da seleção brasileira comentou o fatídico jogo no Mineirão em uma entrevista a um jornal da Alemanha

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Pentacampeão Cafu participou do lançamento da campanha celeste
ALEX DE JESUS / O TEMPO 17/07/2
Pentacampeão Cafu participou do lançamento da campanha celeste

Capitão da última conquista de Copa do Mundo do Brasil, Cafu afirmou em entrevista ao jornal "Tagesspiegel", da Alemanha, que a eliminação da seleção no último Mundial foi algo "surreal". A equipe perdeu para os alemães na semifinal do torneio por 7 a 1, o que, segundo o ex-jogador, nunca mais deverá ocorrer.

"Foi surreal. Só teremos um jogo como esse de novo em cem anos ou nunca mais. Para nós [brasileiros], deu tudo errado. Já os alemães fizeram tudo certo. Não há nenhum outro jogo como o futebol, em que o impossível se torna possível", afirmou.

Segundo Cafu, o Brasil precisa de "mais estrelas" e tem que aprender a respeitar os jogadores mesmo após uma derrota expressiva, como o placar de 7 a 1 na vitória da Alemanha sobre a seleção.

"Esperem pelos próximos anos. Eu moro no Brasil e tenho uma visão muito boa do trabalho na base, buscando talentos. Nosso problema da Copa do Mundo de 2014 foi que temos apenas uma estrela, o Neymar. Antes, jogavam cinco ou seis jogadores desta qualidade na seleção. É aí que temos de voltar, e eu sou otimista. Acredite em mim, o Brasil está diante de um futuro brilhante", afirmou o pentacampeão.

Apesar de elogiar a geração de jovens jogadores brasileiro, Cafu afirmou que eles não têm o mesmo orgulho em defender a seleção que outras gerações.

"[Falta] o orgulho de vestir a camisa da Seleção. Este é provavelmente um fenômeno global, mas em um país como o Brasil isso é mais forte do que nos países europeus. No passado, os jogadores jovens queriam deixar seus clubes locais para jogar na seleção. Hoje, eles saem de casa ainda pequenos para ir jogar no exterior", disse o lateral.

Perguntado se gostaria de se tornar técnico da seleção, Cafu enfatizou que esta possibilidade, por ora, não está em seus planos.

"Não. Hoje, de jeito nenhum. Dê uma olhada em como as pessoas no Brasil têm tratado o Dunga. Ele era o capitão do time campeão do Mundial dos EUA em 1994. Foi um grande jogador. Então, ele não teve sucesso como técnico na Copa do Mundo de 2010, e ninguém mais se lembrou de seus grandes feitos ao Brasil", disse. "Eu gosto de ser respeitado por aquilo que conquistei. (...) Além disso, eu não teria tempo para um trabalho como técnico", afirmou.

Leia tudo sobre: Cafu7 a 1AlemanhaBrasilvexame