Astros do futebol europeu têm irmãos jogadores

Pogba, Ribéry, Schweinsteiger, Hazard, Benzema e Götze e Kroos são exemplos de atletas consagrados que também tem família no esporte

iG Minas Gerais | Folhapress |

Kroos, do Real Madrid, e seu irmão Felix, do alemão Werder Bremen
Divulgação
Kroos, do Real Madrid, e seu irmão Felix, do alemão Werder Bremen

O sobrenome estampado nas costas das camisas 8 do Real Madrid e 18 do Werder Bremen é o mesmo. A altura, o porte físico e o cabelo também são bem semelhantes.

Só que enquanto Toni Kroos, 25, já é campeão mundial com a seleção germânica e briga por todos os títulos possíveis no Real, Felix, dois anos mais novo, contenta-se em manter o Werder na metade de cima da tabela do Campeonato Alemão.

E mais que isso: deseja deixar de ser reconhecido apenas como o irmão mais novo de um dos melhores meio-campistas do planeta.

A situação é mais comum do que se imagina. Pogba, Ribéry, Schweinsteiger, Hazard, Benzema e Götze estão entre as estrelas do primeiro escalão do futebol mundial que têm irmãos jogadores profissionais.

"É ótimo ter um irmão de sucesso e tenho muito orgulho dele. Mas eu estou trilhando o meu próprio caminho no futebol", afirmou Felix, em entrevista à reportagem.

As conversas por telefone entre os irmãos Kroos são quase diárias. Eles conversam muito sobre basquete, paixão de ambos, mas também falam sobre futebol. Só que conselhos sobre a carreira são um tema proibido.

"O mais importante é que ele respeita o meu caminho e sempre me dá a oportunidade de viver as minhas próprias experiências", disse.

Os irmãos jogaram juntos nas categorias de base do Greifswald, cidade onde nasceram, e no Hansa Rostock. De lá, cada um trilhou seu caminho: Toni se transferiu para o gigante Bayern de Munique, enquanto Felix acabou se mudando para Bremen.

"Adoraria voltar a jogar com ele. Se bem que teríamos que disputar só uma posição no time, já que ambos somos volantes", brincou Felix.

IRMÃO E AFILHADO

Enquanto a família Kroos só consegue se reunir em dias de folga, o francês Franck Ribéry, 31, e o alemão Bastian Schweinsteiger, 30, só precisam visitar outro campo do centro de treinamentos do Bayern para conseguir bater um papo com seus irmãos.

Steeven Ribéry, 19, e Tobias Schweinsteiger, 32, jogam no time B do campeão alemão. Ambos chegaram ao clube quando seus irmãos já eram estrelas da equipe bávara e tiveram suas contratações apadrinhadas pelos astros.

Essa situação não é exclusividade do Bayern. Poucos dias depois de contratar a estrela belga Eden Hazard, 24, em 2012, o Chelsea incorporou também ao seu elenco Thorgan Hazard, 21, atualmente emprestado ao Borussia Mönchengladbach.

No passado, o meia-atacante brasileiro Kaká, 32, conseguiu convencer o Milan a dar salário de 1 milhão de euros anual ao zagueiro Digão, 29. Seu irmão mais novo praticamente não jogou na Itália e já se aposentou do futebol.

PAÍSES À PARTE

Ser irmão não significa defender a mesma seleção no mundo do futebol. E nem ter nascido no mesmo país.

Enquanto o volante Paul Pogba, 21, um dos principais jogadores da Juventus, defende a França, seus irmãos, os gêmeos Florentin, zagueiro do Saint Etienne-FRA e Mathias, atacante do Crawley Town, da terceira divisão inglesa, optaram por jogar por Guiné -o primeiro disputou a Copa Africana de Nações, entre os meses de janeiro e fevereiro.

Três anos mais velhos que o caçula, os gêmeos nasceram antes de a família deixar a África e emigrar para a Europa -Paul é natural de uma cidade no entorno de Paris.

Leia tudo sobre: futebol europeukroosribérypogbaschweinsteigerhazardbenzemaatletasjogadoresfamíliairmãos