Luiz Sternick apresenta sua arte política em exposição na Fnac

Artista mineiro abre nesta terça a exposição “Penso... Logo Existo”, que mistura nanquim e política

iG Minas Gerais | lucas buzatti |

Luiz Sternick defende o papel questionador da arte
henrique queiroga/Divulgação
Luiz Sternick defende o papel questionador da arte

O artista plástico mineiro Luiz Sternick abre nesta terça, na Fnac do BH Shopping, sua nova exposição, “Penso... Logo Existo”. No evento, ele participará de um bate-papo, mediado pelo jornalista Kiko Ferreira, em que contará sobre sua trajetória como curador, produtor e artista.

Sternick explica que a frase que nomeia sua exposição surgiu por conta de seus estudos da cabala. “Na cabala, você estuda psicologia, sociologia, filosofia, várias cadeiras do ramo social. Dentro disso, me encantou o conceito de dualismo criado por Descartes, em que o homem questiona tudo. Isso mostrou que a ideia do homem perfeito não existe, que perfeito é somente Deus”, afirma.

Segundo Luiz Sternick – que categoriza seu trabalho como arte política – a exposição baseia-se nos “defeitos do homem” e no “direito de se expressar”. “Não é qualquer artista que escolhe esse tipo de arte. Já andei pelos quatro cantos do mundo e se vê muito pouco de arte engajada. Hoje, o artista faz quadro para decorar casa”, critica. “Eu quero fazer arte para questionar, para propor debates, colocar o dedo nas feridas. Arte que diga alguma coisa. Não quero definir o que é arte, mas, para mim, ela deve dizer, significar alguma coisa”, pontua Sternick.

Para o artista, o medo é o principal fator que impede muitos de questionarem fatos negativos que marcam o cotidiano. “Você vê essas atrocidades do Estado Islâmico, atualmente. Muita gente não fala nada por medo da reação do público, de retaliações. Mas o artista tem que falar”, defende. Ele conta que seus quadros questionam desde o terrorismo (lembrando o atentado ao jornal francês “Charlie Hebdo”) até a corrupção na Petrobras.

Nos últimos anos, Sternick fez maratona por cidades como Nova York, Paris, Lisboa, São Francisco, Miami, Budapeste e Tóquio, onde planeja expôr novamente. “Minha arte tem sido muito reconhecida no Japão, onde surgiu o nanquim. Estou indo para a minha quarta exposição no país”, diz. Em “Penso... Logo Existo”, as 19 obras foram produzidas em nanquim bico de pena. “É mais que um desenho. Estou trazendo de volta técnicas da escola clássica e misturando isso com o contemporâneo”, explica.

Agenda

O QUÊ. Luiz Sternick abre a exposição “Penso... Logo Existo”

QUANDO. Nesta terça, às 20h

ONDE. Fnac BH Shopping (rodovia BR-356, 3.049, Belvedere)

QUANTO. Entrada franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave