Partidário de opositor Nemtsov diz que pista islamita é 'absurda'

Uma das hipóteses levantadas pelos investigadores é que o ex-primeiro-ministro foi assassinado por seu apoio ao jornal satírico francês 'Charlie Hebdo'

iG Minas Gerais | AFP |


Ativista russo Ilya Yashin coloca flores sobre o túmulo de Nemtsov
KIRILL ZYKOV
Ativista russo Ilya Yashin coloca flores sobre o túmulo de Nemtsov

Um amigo e partidário do opositor russo Boris Nemtsov chamou de "absurda" a hipótese de que o assassinato teria sido cometido por islamitas radicais.

Uma das hipóteses levantadas pelos investigadores é que o ex-primeiro-ministro foi assassinado por seu apoio ao jornal satírico francês 'Charlie Hebdo', que publicou polêmicas caricaturas do profeta Maomé.

Esta teoria começou a ganhar força no final de semana, após um checheno confessar seu envolvimento no assassinato. A região instável do Cáucaso, de maioria muçulmana, foi o palco em janeiro de uma das maiores manifestações contra a publicação da caricatura de Maomé.

"A versão oficial dos investigadores é muito absurda. Na minha opinião, é o resultado de uma ordem política do Kremlin", disse à AFP Ilya Yashin, co-fundador do movimento Solidarnost, criado após a morte de Nemtsov.

O ativista indicou que Nemtsov nunca expressou qualquer palavra negativa sobre o Islã e apenas criticou o ataque jihadista à revista Charlie Hebdo em janeiro, em Paris, no qual 12 pessoas morreram.

No domingo, Zaur Dadayev, um ex-vice-comandante das forças especiais da Chechênia, foi acusado junto a um funcionário de uma empresa de segurança privada, Anzor Gubashev, pelo assassinato do líder da oposição, e estão sendo processados ​​por agirem como assassinos de aluguel.

O líder checheno Ramzan Kadyrov declarou estar chocado com as prisões e chamou Dadayev de um dos "soldados mais valiosos de seu regimento", referindo-se a ele como alguém "profundamente religioso" e que, como muitos muçulmanos, ficou chocado com o conteúdo da publicação Charlie Hebdo.

"Nosso maior temor se concretizou: o autor dos disparos foi preso, mas o cérebro continua livre", disse Yashin.

O assassinato de Nemtsov em uma das áreas mais bem vigiadas da Rússia chocou a oposição russa e provocou forte condenação internacional.

Amigos e parentes do opositor, de 55 anos, dizem que ele foi morto por ordem de altos funcionários do governo para silenciar a dissidência.

Neste clima de tensão, o presidente russo Vladimir Putin concedeu nesta segunda-feira uma medalha a um dos suspeitos do assassinato do ex-agente secreto Alexander Litvinenko, envenenado com polônio em Londres em 2006.

O Kremlin anunciou uma série de condecorações, incluindo a Andrei Lugovoi, parlamentar que foi indiciado pela justiça britânica pela morte de Litvinenko, um ex-agente do serviço de segurança russo FSB e que trabalhava para o MI6 britânico.

A polícia britânica acredita que o isótopo radioativo foi colocado no chá de Litvinenko por Lugovoi e Dmitri Kovtun em um hotel de Londres em 1º de novembro de 2006.

Em uma carta escrita em seu leito de morte, Litvinenko acusou Putin de ter ordenado seu assassinato.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave