Minas encara algoz do primeiro turno para ficar a uma vitória do G-4

Com 11 vitórias nos últimos 12 jogos, time de Belo Horizonte depende só de si para fechar fase de classificação na quarta posição

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Time do Minas perdeu os dois últimos jogos depois das primeiras vitórias na Superliga
ORLANDO BENTO
Time do Minas perdeu os dois últimos jogos depois das primeiras vitórias na Superliga

O Camponesa-Minas colhe os frutos do que plantou. Depois de uma campanha com altos e baixos no primeiro turno, o segundo turno reserva um desempenho de campeão. Nas últimas 12 partidas, são 11 vitórias e um salto na tabela, que permitiu não somente a conquista do primeiro objetivo, que era tirar o quarto lugar do Dentil-Praia Clube, mas como depender somente de si nas duas últimas rodadas da Superliga feminina para manter o posto.

Nesta terça-feira, fora de casa, a equipe encara o sétimo colocado Brasília Vôlei-DF, que venceu as mineiras no primeiro turno, em Belo Horizonte. O time candango é um dos dois que o Minas não venceu ainda no torneio nacional e o pequeno tabu pode ser quebrado quando os dois times entraram em quadra, às 20h.

“Tem duas equipes que não vencemos na competição. Uma é o Rexona e a outra é o Brasília. A gente espera ter essa oportunidade. São situações assim que são desafios que todo desportista gosta de ter. Ninguém gosta de situação de conforto. Um desafio para nós irmos lá para manter a quarta colocação e também ganhar de um adversário que ainda não ganhamos”, analisa o técnico Marco Queiroga, mostrando o espírito de suas comandadas.

Nas últimas rodadas, o Minas não deu bobeira e passou por adversárias que lutam por objetivos diferentes, na parte de baixo da tabela. Mesmo sendo favorito, o time da capital mineira manteve a postura agressiva e não se permitiu perdeu pontos muito menos confiança.

“Após a sequência de cinco jogos muito difíceis, contra times que estavam à nossa frente, tivemos jogos com equipes que em termos de classificação estavam nas últimas posições e o time se comportou bem. Esperamos ir bem novamente, nos preparando também para os play-offs. Pegamos o time que estava em nono lugar, agora vamos pegar o sétimo e depois o oitavo. O nível de dificuldade está aumentando e o nível de cobrança nosso também”, aponta Queiroga, que garante não estar muito preocupado com o rival de Uberlândia.

“Mais importante de tudo isso é a gente fazer o nosso trabalho bem feito. Temos de fazer o nosso. Estamos trabalhando para trazer essas situações favoráveis para nós. Não torço contra ninguém, torço é para o Minas fazer grandes apresentações”, afirma o treinador.

Apenas um ponto separam as duas equipes que brigam, no limite, pela quarta posição. Quem terminar a fase de classificação no G-4, ganha o direito de fazer duas das possíveis três partidas das quartas de final dentro de casa. O que não deve mudar deve ser´o embate entre os dois adversários na próxima fase da competição. As uberlandenses terão compromissos menos complicados nas duas últimas rodadas, contra a lanterna e a antepenúltima colocada. O Praia começa a tentativa de recuperação pelo seu posto também nesta terça, às 19h30, fora de casa, contra o Maranhão-Cemar-MA.