Cingapura nega que condenações a chibatadas sejam atos de tortura

Andreas Von Knorre, de 22 anos, e Elton Hinz, de 21 anos, foram condenados a nove meses de prisão e a três chibatadas depois de terem sido declarados culpados de vandalismo

iG Minas Gerais | AFP |

Em janeiro, blogueiro saudita recebeu 50 chibatadas que provocaram onda de protestos internacionais
Larepublica/Reprodução
Em janeiro, blogueiro saudita recebeu 50 chibatadas que provocaram onda de protestos internacionais

Cingapura defendeu nesta segunda-feira (9) a sentença de um tribunal local que condenou dois jovens alemães a receber três chibatadas por fazer pichações no metrô da cidade-Estado em novembro, rejeitando que este castigo seja um ato de tortura.

Andreas Von Knorre, de 22 anos, e Elton Hinz, de 21 anos, foram condenados a nove meses de prisão e a três chibatadas depois de terem sido declarados culpados de vandalismo e violação da propriedade.

A ONG Human Rights Watch denunciou este tipo de castigo em Cingapura, "um vergonhoso recurso à tortura" que remonta à época colonial britânica.

O Ministério Público de Cingapura rejeitou nesta segunda-feira (9) as críticas, explicando que são aplicados os mesmos critérios com os dois alemães e com os cidadãos do país.

"As leis de Cingapura contra o vandalismo são muito conhecidas. As chibatadas são a punição imposta por atos de vandalismo, e a lei é aplicada a qualquer pessoa que a descumpra", declarou à AFP uma porta-voz do Ministério Público.

"As chibatadas não são um ato de tortura. Em Cingapura são realizadas sob normas rígidas, com a supervisão de um médico", acrescentou.

Von Knorre e Hinz são "vândalos que infringiram a lei para se tornar conhecidos, sem pensar nos custos sociais ou nas perturbações que seus atos podiam causar nos demais", afirmou.

Em sua última declaração ante a Corte, os dois jovens classificaram seus atos de erro estúpido e pediram o indulto dos magistrados.

Leia tudo sobre: chibatadascingapuracrimedireitos humanos