PF fará mais uma etapa da operação

Entre as atividades que serão feitas pela PF está a coleta de gravações de entrada e saída de parlamentares da Petrobras e a oitiva de executivos de empreiteiras envolvidas

iG Minas Gerais |


Policiais federais irão realizar novas diligências nesta semana
FÁBIO MOTTA
Policiais federais irão realizar novas diligências nesta semana

Brasília. A Polícia Federal deve iniciar nesta semana novas diligências da Lava Jato referentes aos 21 inquéritos autorizados pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki. Também poderá ocorrer a entrega de pedidos de investigação de governadores citados na Lava Jato ao Superior Tribunal de Justiça, responsável pela investigação de governadores.

Ao todo, são 21 inquéritos para investigar indícios do envolvimento de 49 políticos em esquema de corrupção na Petrobras. O pedido para abrir as investigações foi encaminhado pela PGR ao Supremo na terça-feira.

Entre as atividades que serão feitas pela PF está a coleta de gravações de entrada e saída de parlamentares da Petrobras e a oitiva de executivos de empreiteiras envolvidas. Parte dessas tarefas já vinha sendo feita pela PF desde 2014.

A PF também passará a ouvir o depoimento dos políticos que estão sendo investigados, assim como daqueles que foram citados pelos delatores como responsáveis, por exemplo, pela entrega de dinheiro às autoridades. Deverá ser feita, ainda, a coleta das agendas públicas de autoridades citadas na Lava Jato. Gravações de circuito interno de TV de hotéis onde ocorreram encontros de membros do esquema também deverão ser solicitados.

Um ministro discreto e de pouco sorriso Brasília. Todos os dias, ele chega ao Supremo Tribunal Federal (STF) com a personalidade estampada no semblante: economiza sorrisos e, de poucas palavras, reage ao assédio da imprensa com um singelo bom dia. Não comenta publicamente processos sob seus cuidados. É o tipo clássico de juiz que só se manifesta nos autos. Depois que foi sorteado relator dos inquéritos da Lava-Jato, a discrição do ministro Teori Zavascki aumentou. E também a proteção: no tribunal, anda ladeado de um séquito de assessores e seguranças, para evitar ainda mais o contato com a imprensa. Vai direto para o gabinete e trabalha.

Leia tudo sobre: lava jato