Presidente da Comissão Europeia defende Exército comum no continente

Forças Armadas reunindo os 28 países da UE também permitiriam o racionamento dos gastos militares e favoreceriam a integração militar

iG Minas Gerais | AFP |

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sugeriu neste domingo (8) a criação de um Exército europeu, levando em conta as relações cada vez mais tensas com a Rússia devido à crise na Ucrânia.

Esta força poderia fazer frente às novas ameaças nas fronteiras da União Europeia (UE) e "defender os valores do bloco", declarou, em entrevista publicada neste domingo pelo jornal alemão "Welt am Sonntag".

"Não criaríamos um Exército europeu para usá-lo imediatamente. Mas um Exército comum a todos os europeus faria a Rússia entender que levamos a sério a defesa dos valores da União Europeia", indicou.

Forças Armadas reunindo os 28 países da UE também permitiriam o racionamento dos gastos militares e favoreceriam a integração militar, assinalou Juncker.

"Este Exército nos ajudaria a traçar uma política externa e de segurança comum", acrescentou o presidente da Comissão, para quem não se trata de reduzir o papel da Otan.

Embora a proposta possa não agradar aos países contrários a uma maior integração europeia, como a Grã-Bretanha, encontrou apoio na Alemanha.

"Nosso futuro, como europeus, passará, um dia, por um Exército do continente", afirmou a ministra da Defesa alemã, Ursula von der Leyen.

Segundo o jornal, o ex-secretário-geral da Otan e ex-chefe da diplomacia europeia Javier Solana deverá apresentar amanhã, em Bruxelas, um relatório sobre a nova estratégia de defesa europeia, e apelar por uma capacidade maior de intervenção militar fora das fronteiras da UE.

Leia tudo sobre: Comissão EuropeiaExército