Familiares de passageiros do MH370 cobram respostas um ano após desapa

Voo MH370, que fazia o trajeto entre Kuala Lumpur e Pequim, desapareceu dos radares em 8 de março de 2014, com 12 tripulantes e 227 passageiros a bordo

iG Minas Gerais | AFP |

Um ano após o desaparecimento do voo MH370 permanece o mistério sobre o que teria acontecido com a aeronave, enquanto Malásia e Austrália afirmaram neste domingo que mantêm a esperança de dar uma resposta às famílias dos passageiros.

Um relatório de especialistas independentes publicado neste domingo em Kuala Lumpur não trouxe nenhum conforto para as famílias e amigos dos desaparecidos, já que traz poucos novos elementos.

O voo MH370, que fazia o trajeto entre Kuala Lumpur e Pequim, desapareceu dos radares em 8 de março de 2014, com 12 tripulantes e 227 passageiros a bordo, dos quais dois terços eram cidadãos chineses.

O primeiro-ministro malaio Najib Razak, cujo país foi duramente criticado pelas famílias das vítimas, reafirmou neste domingo a sua determinação em dar respostas sobre o que aconteceu.

Apesar "dos fracos elementos materiais" de que dispõe os investigadores, a "Malásia continua empenhada nas buscas e ainda acredita que o voo MH370 será localizado", declarou Razar em um comunicado.

Vários navios passaram meses sondando o fundo do mar no sul do Oceano Índico, com a ajuda de sonares sofisticados que já rastrearam 40% "de uma área de busca dada como prioritária". Mas a operação conduzida pela Malásia ainda não permitiu encontrar o avião.

Ausência de provas

Neste domingo, o primeiro-ministro australiano Tony Abbott disse que, se a operação não surtir efeito, o seu país e seus parceiros vão realizar "outras buscas" em uma área de cerca de 60.000 quilômetros quadrados. No entanto, ele não precisou qual será a nova zona explorada.

"Devemos isso às famílias das vítimas", disse Abbott, em entrevista coletiva.

Uma equipe independente de especialistas internacionais publicou neste domingo um novo relatório sobre o desaparecimento do Boeing 777 da companhia aérea Malaysia Airlines.

Até o momento, a explicação mais plausível para este misterioso desaparecimento fornecida pelos investigadores  é que a tripulação e os passageiros perderam a consciência devido a uma queda brusca de oxigênio a bordo da aeronave. O avião teria continuado a voar por várias horas no piloto automático antes de cair no mar, uma vez o combustível esgotado.

O novo relatório não defende qualquer hipótese particular, e os seus autores não estudaram o perfil dos passageiros ou a possibilidade de um sequestro. Apenas indica que nenhum comportamento suspeito foi registrado entre os membros da equipe.

A investigação também não conseguiu provar  qualquer falha mecânica no Boeing 777 antes de seu desaparecimento.

Parentes das vítimas estão, por sua vez, convencidos de que a Malásia não lhes diz a verdade.

 

Leia tudo sobre: familiarespassageiros. aviãodesparecidoMH370