Mesmo com tanto problema, vale a pena

Conforto do ônibus e rapidez nas viagens se destacam

iG Minas Gerais | Luiza Muzzi |

Errado. Portas de estações de transferência só deveriam abrir com a aproximação do coletivo
JOÃO GODINHO
Errado. Portas de estações de transferência só deveriam abrir com a aproximação do coletivo

Um ano depois da implantação do Move em Belo Horizonte, a reportagem de O TEMPO repetiu a enquete realizada com cem usuários na inauguração do sistema e constatou que o ganho de tempo nos deslocamentos continua sendo um dos quesitos mais bem avaliados, se sobrepondo às reclamações com relação à estrutura das estações. Quem utiliza o sistema diariamente confirma: mesmo com tantos problemas, a agilidade faz o Move valer a pena. Ainda assim, o percentual de passageiros insatisfeitos em alguns aspectos cresceu ao longo dos últimos 12 meses.

Na pesquisa, os usuários avaliaram o Move municipal com relação a conforto, tempo de espera e de viagem, estrutura das estações e dos coletivos e mudanças no trajeto. Para 75% dos entrevistados, o tempo é positivo, e para 67%, o sistema trouxe melhorias no trajeto. Mas esses índices são inferiores aos do lançamento. Morador do Conjunto Paulo VI, na região Nordeste, o auxiliar administrativo Juarez Augusto Figueiredo, 38, acredita que, mesmo com alguns problemas, o Move trouxe benefícios. “O transporte melhorou a mobilidade em BH, além de ter reduzido o número de ônibus que circulam na região central”, avalia. Ao mesmo tempo em que comemoram a rapidez possibilitada pelo sistema, os usuários também apontam falhas recorrentes. Na enquete deste ano, a estrutura das estações foi considerada a grande vilã do sistema, alvo de reclamação de 47% dos usuários. Além de portas e monitores sem funcionar, muitos estão incomodados com os tumultos no embarque. “Nos horários de pico percebo que as estações não suportam o grande número de pessoas. Os usuários são empurrados e se espremem para conseguir entrar no ônibus”, observa a auxiliar administrativa Gidésia Ferreira, 38. Segundo a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), as concessionárias de ônibus que operam no sistema acompanham diariamente a questão do quadro de horários e a quantidade de pessoas nas estações de transferência para regular um intervalo menor entre as viagens. Ainda conforme a BHTrans, as estações de transferência possuem rotinas de mensagens de voz orientando os passageiros sobre o embarque para evitar tumulto.

Estagnado Problemas. A enquete mostrou que não houve melhora em algumas reclamações feitas no lançamento. A quantidade de insatisfeitos com o tempo de espera saltou de 14%, na estreia, para 36%, hoje.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave