Superclássico mexe até com torcedores de outros países

Clubes têm em seus elencos atletas de Chile, Argentina, Uruguai, Colômbia e Camarões

iG Minas Gerais | lohanna lima |

Azul de coração. Uruguaio Gustavo Altieri já gostava do Cruzeiro e torce pelo sucesso de Arrascaeta
douglas magno
Azul de coração. Uruguaio Gustavo Altieri já gostava do Cruzeiro e torce pelo sucesso de Arrascaeta

Engana-se quem pensa que seja impossível encontrar pontos em comum mesmo na maior das rivalidades. Em 2015, Cruzeiro e Atlético seguiram uma linha parecida na hora de montar seus elencos. Enquanto o Cruzeiro abriu as portas para os chilenos Felipe Seymour e Mena, o colombiano Riascos, o camaronês Joel e a promessa uruguaia De Arrascaeta, o Atlético trouxe da Argentina o melhor jogador da última temporada, Lucas Pratto, e o colombiano Sherman Cárdenas. Neste domingo, às 16h, as duas equipes se enfrentam no Mineirão, em seu clássico de estreia no ano. Se em campo alguns dos estrangeiros terão seu primeiro contato com um dos maiores clássicos do Brasil, nas arquibancadas também haverá torcida de quem vem de fora e aprendeu a amar o futebol mineiro.  

Há 12 anos no Brasil, o uruguaio Gustavo Altieri, 57, já tinha uma ligação com o Cruzeiro antes mesmo de imaginar que um dia moraria em solo mineiro. Em Montevidéu, ele assistiu às partidas da Raposa contra Nacional – time para o qual torce –, e Peñarol na década de 70. Com os principais nomes da equipe daquela época na cabeça, o uruguaio conta que a admiração vem de longa data. “Sempre gostei do Cruzeiro. Na década de 80, eu fazia troca de camisas e flâmulas com pessoas da Europa. Ganhei uma especial do Cruzeiro que fazia menção aos estaduais conquistados entre os anos de 1965 a 1969”, lembra.

Não bastasse a afeição espontânea pelo time, quis o destino que Gustavo conhecesse Regina – uma mineira que estava no Uruguai para terminar os estudos. Eles se casaram em Belo Horizonte e moraram até 2002 em Montevidéu, quando decidiram se mudar para a capital mineira.

Já o time alvinegro despertou a paixão do colombiano Oscar Sandoval, 25, que está há quase dois no Brasil. O estudante de pós-graduação em engenharia mecânica chegou a Belo Horizonte justamente no meio da conquista da Libertadores de 2013, pelo Atlético. “Foi uma loucura. O Galo estava no meio do torneio. Várias pessoas que me ajudaram quando cheguei eram atleticanas e me convidaram para ver os jogos, e comecei a torcer. Já fui diversas vezes no Independência com meus amigos. Sempre gostei de futebol, e antes de morar aqui já acompanhava tanto o Atlético quanto o Cruzeiro”, conta Sandoval.

Para o jogo deste domingo, tanto o uruguaio quanto o colombiano torcem por um bom desempenho de seus conterrâneos. “Vai dar 2 a 1 para o Galo”, crava Oscar. “O Cruzeiro vai ganhar de pouco. Será 1 a 0 para a gente”, completa Gustavo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave