Fernanda Maciel, atleta de ultramaratona

iG Minas Gerais |

“Ser feminina está dentro da gente, por mais que eu faça uma atividade extrema pela qual apenas homens valentes passam por ali... Não quer dizer que sou ‘macha’”.
Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool
“Ser feminina está dentro da gente, por mais que eu faça uma atividade extrema pela qual apenas homens valentes passam por ali... Não quer dizer que sou ‘macha’”.

Como é conciliar com as tarefas e viagens da profissão com cuidados de beleza?

Cuidado a beleza externa na verdade não existe na minha “agenda” porque não tenho tempo, no tempo que me resta tento trabalhar minha beleza interna. Desta forma a externa aparece, acredito! Meditação, corrida e estar no alto de uma montanha em paz são as formas que busco dentro dessa “correria” para cuidar da minha beleza.

Qual a relação em ser uma mulher radical sem perder a feminilidade?

Hoje as mulheres estão cada vez mais confiantes, fortes e livres, e isso não quer dizer perder a feminilidade. Passo muitos dias sem tomar banho em uma expedição em alta montanha, sem pentear o cabelo, fazer a unha, etc.. Sem me olhar no espelho. Confesso que o meu desejo é sempre descer da montanha e ir direto pro salão de beleza me cuidar. Ser mulher é lindo, é ser poesia, detalhista, ter emoções fortes! Amo ser mulher.

Qual seu truque de beleza infalível?

Meditar, orar para estar em paz, acreditar em si mesma. E para uma corredora como eu, fazer os pés é obrigatório, pois é minha ferramenta de trabalho. Faço os pés sempre duas semanas antes de uma ultramaratona de 100 km ou 100 milhas para evitar bolhas, adoro passar um esmalte rosa claro ou branco.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave