Unesco condena 'destruição' de cidade assíria de Hatra

Cidade se encontra em zona desértica, cerca de 100 km a sudoeste de Mossul, principal município sob controle do Estado Islâmico no norte do Iraque

iG Minas Gerais | AFP |

Uma foto tirada em 21 de abril de 2003 mostra pátio do palácio real, no sítio arqueológico de Hatra no noroeste do Iraque entre Mosul e Samarra, onde a helenística e romana mistura arquitetura com elementos decorativos orientais
AFP
Uma foto tirada em 21 de abril de 2003 mostra pátio do palácio real, no sítio arqueológico de Hatra no noroeste do Iraque entre Mosul e Samarra, onde a helenística e romana mistura arquitetura com elementos decorativos orientais

A agência das Nações Unidas para a cultura e o patrimônio condenou neste sábado (7) o que descreveu como a "destruição" da antiga cidade assíria de Hatra, no Iraque, por combatentes do grupo Estado Islâmico.

Após citar "fontes oficiais" iraquianas que confirmaram a demolição do sítio arqueológico de uma cidade excepcionalmente bem conservada, a diretora da Unesco Irina Bokova afirmou: "a destruição de Hatra marca um momento decisivo na lamentável estratégia de limpeza cultural no Iraque".

Hatra se encontra em uma zona desértica, cerca de 100 km a sudoeste de Mossul, principal cidade sob o controle do Estado Islâmico no norte do Iraque.

Construída entre os séculos II e III antes de Cristo, Hatra foi catalogada como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco em 1985.

De estilo helenístico e romano, Hatra integrava o Império Parta e foi um ponto de encontro histórico entre o Ocidente e Oriente e capital do primeiro reino árabe, séculos após sua fundação.

O Estado Islâmico também destruiu, com máquinas pesadas, a cidade de Nimrud, na província de Nínive, outra joia da rica herança pré-islâmica iraquiana, fundada no século XII antes de Cristo.

Para os jihadistas, as estátuas e monumentos destes sítios arqueológicos são idolatria.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave