Centurión e Emerson Sheik se encontram pela primeira vez no clássico

São Paulo e Corinthians se enfrentam neste domingo, às 16h, no Morumbi, pelo Campeonato Paulista

iG Minas Gerais | Folhapress |

Famoso na Argentina como jogador polêmico, Adrián Centurión, 22, confessou a colegas estar ansioso para enfrentar o Corinthians e "desfrutar". Vai enfrentar pela primeira vez Emerson Sheik, 36, atacante que parece ter um imã para atrair confusões dentro e fora de campo.

A dupla é uma das atrações do confronto entre São Paulo e Corinthians, neste domingo, às 16h, no Morumbi, pelo Paulista. Será o primeiro clássico do argentino desde que chegou ao São Paulo.

Emerson Sheik voltará ao Corinthians depois de uma ausência de quatro jogos por contusão. Muricy Ramalho está preocupado com Centurión. Confessou ter pensado em deixar o meia-atacante fora do jogo. Quer que ele receba acompanhamento psicológico. "Estamos preocupados em não deixá-lo sozinho, porque ele tem dificuldade em se comunicar. Não queremos queimar o jogador", disse o técnico do São Paulo, que deve escalá-lo mesmo assim. Timidez não é uma característica pela qual Centurión ficou conhecido na Argentina. Muito pelo contrário.

Sheik irritou integrantes da comissão técnica e dirigentes do Corinthians na última semana. Alegou dor no joelho direito e não enfrentou o Mogi Mirim, no dia 1º. Na mesma data, chegou atrasado ao treino de recuperação. O diretor de futebol Sergio Janikian confirmou o atraso depois que Tite o havia negado. Criou mal estar no clube. "Levem as perguntas para a direção", limitou-se a dizer o técnico corintiano.

PARECIDOS Há dois meses, em um dos últimos clássicos que fez na Argentina, pelo Racing, Centurión sofreu entrada violenta de Leandro Marín, do Boca Juniors, após provocar o rival com dribles. Marín foi expulso, mas deixou uma marca no tornozelo esquerdo do agora são-paulino.

Foi contra o Boca que Sheik mordeu o zagueiro Caruzzo na final da Libertadores de 2012. Jogo em que fez os dois gols do título. No final de 2014, o Racing foi campeão argentino. O gol que selou a conquista foi marcado por Centurión. Há episódios controversos fora de campo também. Aos 19 anos, ainda uma promessa, o meia-atacante publicou foto segurando uma arma de fogo. A repercussão foi tão negativa que esfriou interesse do Real Madrid.

Ao ser negociado com o Genoa (ITA) por empréstimo em 2013, discutiu pelas redes sociais com torcedores que o criticavam pela queda do Racing na Copa Sul-Americana. "Sou craque e vou virar milionário. Sinto por vocês que têm de trabalhar todos os dias, 24 horas", escreveu.

Em má fase técnica, Sheik foi emprestado ao Botafogo durante o Brasileiro de 2014. Um dos principais motivos para a saída foi pressão das torcidas organizadas. Estas ficaram contrariadas com a foto postada pelo atacante na internet dando "selinho" em um amigo, dono de restaurante em São Paulo.No Botafogo, disse para uma câmera de TV que a CBF é uma "vergonha." Voltou ao Corinthians no início da atual temporada e teve boas atuações contra Once Caldas e São Paulo na Libertadores. Confirmou a fama de jogador que cresce em jogos importantes. Desempenha papel que, no esquema de Tite, é importante. Puxa contra-ataques, finaliza e ajuda na marcação.

Em 32 dias no São Paulo, Centurión impressionou Muricy por conseguir dar ao time velocidade, toque de bola e dribles. Até os companheiros elogiam a técnica do argentino, que fez três partidas até agora, com um gol. Ele desbancou Alan Kardec, que hoje é terceira opção, e ficou com a vaga de Pato, impedido por contrato de jogar contra o Corinthians. A avaliação de Muricy é que Centurión é melhor ao lado de Luís Fabiano no ataque.

Diferenças A sensação entre os companheiros é que Centurión ainda não se soltou. Todos sentem que ele é uma pessoa bem humorada, mas conversa e brinca pouco. Fora de campo, tem dificuldades. Mora sozinho, já que a namorada ficou na Argentina, e não aproveita as folgas para conhecer a cidade. Para diminuir a solidão, dois amigos de Buenos Aires viajaram a São Paulo para lhe fazer companhia. Ele é o único estrangeiro no elenco. Mora em Perdizes, no mesmo prédio em que reside o volante Souza, com quem costuma ir e voltar ao clube de carona.

Solidão está longe de ser um problema para Emerson Sheik, que se sente em casa na capital paulista. Gosta de sair, dar festas e está com a casa sempre cheia de amigos e amigas. Colegas de elenco que já saíram à noite com o atacante se espantaram com a energia que ele tem para curtir a noite.

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno, Rafael Toloi, Dória, Reinaldo; Denilson, Souza, Ganso, Michel Bastos; Centurión e Luís Fabiano. T.: Muricy Ramalho

CORINTHIANS: Cássio; Fágner, Edu Dracena, Gil, Uendel; Ralf, Jadson, Elias, Danilo, Emerson Sheik; Guerrero. T.: Tite

Estádio: Morumbi, em São Paulo Horário: 16h Árbitro: Leandro Bizzio Marinho

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave