Defesa pode fazer diferença

Por contratações ou por lesões, Raposa e Galo terão novas peças no setor de retaguarda

iG Minas Gerais | Guilherme Guimarães / Diego Costa |

Victor carrega o peso de ser um dos mais experientes do atual elenco alvinegro
JOÃO GODINHO - 24.2.2015
Victor carrega o peso de ser um dos mais experientes do atual elenco alvinegro

Partidas denominadas clássicos carregam um enorme peso e mexem não só com o psicológico dos atletas, personagens principais do jogo. Mas, também, transformam o ânimo e a euforia dos torcedores, outra parte muito interessada nesse duelo.  

Para que tudo corra bem e o objetivo da vitória seja alcançado, os clubes adversários preparam e executam várias estratégias, como os misteriosos treinos secretos e a não divulgação de informações privilegiadas. No entanto, esse tipo de ação isolada não ganha jogo. O desempenho dos atletas dentro de campo é que dará o direcionamento da partida.

Tanto Cruzeiro quanto Atlético se respaldam em peças importantes para, quem sabe, alcançar a vitória neste domingo, em um dos maiores clássicos do futebol nacional. No Mineirão, os paredões Fábio e Victor terão papel importante. Para isso, contam com o apoio dos demais jogadores do setor defensivo.

A Raposa, ao lado do Galo, tem uma das melhores defesas da competição. Cada equipe sofreu apenas três gols. Para que os goleiros passem ilesos, será preciso muita disciplina tática. Coisa que o Cruzeiro encontrou bem com a chegada do zagueiro Paulo André. Desde que o beque entrou na equipe titular, o time celeste não sofre gols. São três jogos, sendo dois da Libertadores e um do Campeonato Mineiro. “A gente marca em uma linha de quatro bem definida, mais por zona. A marcação não é individual. Temos facilidade de encaixe. Espero que a gente consiga fechar os espaços na defesa para não correr riscos no clássico”, comenta Paulo André, citando também o ataque como ajuda primordial para a defesa. “Se a gente chegar com cada vez mais qualidade lá de trás, vamos fazer gols. O conjunto que defende e ataca”, diz. “O Atlético deve jogar com um time rápido, que vai para cima no contra-ataque. É bom não levar gol há vários jogos. Agora precisamos ativar o ataque para que os gols possam sair”, completa o zagueiro.

E os jogadores do Cruzeiro não estão errados. No lado alvinegro, o técnico Levir Culpi vai apostar na intensa movimentação dos homens do ataque. Sem os dois argentinos, Lucas Pratto e Dátolo, Dodô e Cesinha devem compor a linha de frente, ao lado de Luan e Carlos.

Na defesa atleticana, duas mudanças em relação à formação ideal. Com Leonardo Silva e Marcos Rocha lesionados, Edcarlos e Patric começam o jogo. E o lateral-direito entende que o embate veio na hora certa. “O clássico veio em um momento certo, propício. Duas equipes que não estão desempenhando um grande futebol. Chegou o momento de evoluirmos, botar a cara, lutar, se entregar para conseguir o carinho da torcida”, destacou Patric.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave