Adolescentes desaparecem na porta de escola em Contagem

Jovens foram vistas pela última vez nessa quinta-feira, quando saíam da aula; até o momento, não há pistas sobre o paradeiro delas

iG Minas Gerais | João Paulo Costa |

Talita também desapareceu com as colegas
Polícia Civil/Divulgação
Talita também desapareceu com as colegas

Três adolescentes desapareceram no bairro Parque São João, em Contagem, na região metropolitana da capital, nessa quinta-feira (5). Após assistirem regularmente suas aulas na Escola Municipal Professor Domingues Diniz, no mesmo bairro, as adolescentes Ester Soares Batista Moreira, de 12 anos, Thalia Scarleth Rodrigues do Nascimento, também de 12, e Talita Nádila Fernanda Soares, de 13 anos, não foram mais vistas.

Segundo uma aluna da escola que não quis se identificar, as meninas são amigas e cursam a sétima série. De acordo com ela, as adolescentes sempre voltaram para a casa caminhando, já que moram próximas da escola e as famílias são amigas.

Já a auxiliar de produção Cristiane Soares Batista, de 38 anos, mãe da adolescente Ester, disse que o desaparecimento da filha deixou toda a família abalada. “Nunca me preocupei dela voltar sozinha para a casa, porque é perto. Minha menina é doce e responsável. Cuida de minha mãe e ajuda nos trabalhos domésticos. Quando ela sai de casa é só para ir para a igreja. Não sei o que está acontecendo. Já acionei a polícia e espalhei cartazes de desaparecimento por todo o bairro”, desabafou.

Hipóteses

Ainda de acordo com Cristiane, a adolescente Talita teria discutido com sua mãe no dia anterior ao desaparecimento (quarta-feira) e já teria um histórico de fuga de casa em 2014. “Ela (mãe de Talita) me contou que viu a menina colocando roupas em uma mochila. Aí, preocupada, ela perguntou para sua filha o que ela pretendia e Talita disse que iria fugir para a casa da avó da Ester, em Nova Lima. Só que nós temos apenas parentes no bairro Eldorado. A história não bate”, contou.

A mãe de Ester informou ainda que um dos vizinhos da escola disse ter visto as adolescentes entrando em um veículo após o término das aulas. No entanto, ela diz não acreditar em boatos sem fundamentos, já que o vizinho não soube especificar qual o veículo, placa ou quem dirigia. “O pessoal do bairro disse muita coisa. Não sei ao certo, mas desconfio que as duas outras meninas pediram para a Ester acompanhá-las. Agora, para onde, é que não sabemos. Estou com muito medo e a angústia é grande”, revelou.

A reportagem de O TEMPO esteve no lugar conhecido como “beco do Capitão”, no Parque São João, em Contagem. O local é onde ficam as residências de Talita e Thalia. Na ocasião, nenhuma das famílias foram encontradas.

O caso está sob os cuidados da delegada Renata de Oliveira Lima, da 2ª Delegacia de Contagem. Segundo ela, aparentemente, “o desaparecimento das meninas foi voluntário”. Não há, ainda, nenhuma pista sobre o paradeiro das adolescentes. Quem tiver informações pode ligar nos números 197, 190 ou 181 (ligação anônima).