Perícia da morte de promotor levanta suspeitas sobre assistente

Lagomarsino admitiu ter emprestado a Nisman a pistola que efetuou o disparo e disse que esteve com ele duas vezes no sábado, um dia antes de o promotor ser encontrado morto

iG Minas Gerais |

Atos de apoio e reforço policial marcam enterro de promotor argentino
LA NACION / Fabián Marelli
Atos de apoio e reforço policial marcam enterro de promotor argentino

Depois de a ex-mulher do promotor argentino encontrado morto em janeiro, Alberto Nisman, apresentar as conclusões de uma perícia paralela, todas as atenções se voltaram para o técnico em informática Diego Lagomarsino, que trabalhava como assistente do promotor.

Lagomarsino admitiu ter emprestado a Nisman a pistola que efetuou o disparo e disse que esteve com ele duas vezes no sábado, um dia antes de o promotor ser encontrado morto.

A versão de Lagomarsino é de que esteve com Nisman ao anoitecer, mas não especificou o horário do encontro.

A perícia paralela encomendada pela ex-mulher de Nisman, Sandra Arroyo Salgado, concluiu que o promotor provavelmente morreu entre 16h e meia-noite de sábado. A investigação oficial apontava que sua morte teria ocorrido no domingo, por volta do meio-dia.

Em entrevista nesta sexta-feira (6), o novo chefe de gabinete de Cristina Kirchner, Aníbal Fernández, citou Lagomarsino.

"É a hora em que Lagomarsino estava no apartamento [do promotor]", disse ele, referindo-se à provável hora da morte. "A defesa de Lagomarsino deve estar extremamente preocupada com o que disse Arroyo Salgado".

A defesa do técnico em informática não se pronunciou.

Fernández ressaltou que o governo tem interesse na solução do caso mas não participa da investigação. Ainda assim, o chefe de gabinete voltou a especular sobre a hipótese de assassinato. "Se foi um homicídio, tem que ter sido uma pessoa de conhecimento de Nisman", disse ele, lembrando que a investigação oficial afirma que o corpo do promotor não apresentava sinais de luta.

"Não é provável que um assassino, um matador contratado, vá à casa de uma pessoa que não conhece para matá-la e use uma pistola que não lhe pertence, e que não sabe onde está e se funciona", acrescentou.

Nisman foi encontrado morto no dia 18 de janeiro, em seu apartamento em Buenos Aires. No dia seguinte, o promotor do caso AMIA apresentaria uma denúncia contra Cristina Kirchner e aliados sobre um suposto plano de encobrimento dos suspeitos de um atentado a um centro judaico em 1994.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave