Obama diz que racismo na polícia de Ferguson não é caso isolado

A morte de Michael Brown desencadeou várias semanas de protestos em várias cidades contra o racismo e os abusos da polícia contra a comunidade negra

iG Minas Gerais | AFP |

Câmara dos EUA aprova projeto contra ações de Obama sobre imigrantes
AFP
Câmara dos EUA aprova projeto contra ações de Obama sobre imigrantes

O presidente americano, Barack Obama, considerou que as condutas racistas pelas quais a polícia local de Ferguson, Missouri (centro), é acusada, não são comuns, mas podem ocorrer em outras partes dos Estados Unidos.

"Não acredito que seja típico do que ocorre no país, mas não é um incidente isolado", declarou Obama em uma entrevista à rádio Sirus XM.

Obama se pronunciou depois que o Departamento de Justiça descobriu uma série de e-mails racistas e evidências de múltiplas violações de direitos humanos em Ferguson, um subúrbio próximo a San Louis, onde um policial matou a tiros um adolescente negro desarmado no dia 9 de agosto de 2014.

A morte de Michael Brown desencadeou várias semanas de protestos em várias cidades contra o racismo e os abusos da polícia contra a comunidade negra, algumas das quais terminaram em confrontos.

"Existem circunstâncias nas quais a confiança entre as comunidades e a aplicação da lei se rompeu", comentou Obama.

"Indivíduos ou departamentos inteiros podem não ter o treinamento ou a responsabilidade para garantir que estão protegendo e servindo todas as pessoas, e não apenas algumas", acrescentou o presidente.

Embora o procurador-geral, Eric Holder, tenha considerado alarmante o relatório sobre o departamento de polícia de Ferguson, o governo determinou que não apresentará acusações contra o policial branco que matou Brown.

No entanto, a família do jovem anunciou que apresentará uma demanda civil contra o policial e o governo local de Ferguson.

A morte de Brown também reativou o debate nacional sobre as relações raciais e a aplicação da lei.

Obama convocou um grupo de trabalho que emitiu 60 recomendações à polícia para reconstruir a confiança com a comunidade.

As medidas incluem a introdução de investigações externas "em casos de abuso da força policial resultantes em morte, oficiais envolvidos em tiroteios que deixam feridos ou mortos, ou mortes em custódia".

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave