Horace Grant elogia basquete brasileiro, fala sobre carreira e rumos d

Ex-jogador, dono de quatro anéis de campeão da liga norte-americana, é um dos destaques do Jogo das Estrelas do NBB

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA - ENVIADO ESPECIAL |

Horace Grant retribuiu carinho recebido na cidade de Franca
JOSIAS PEREIRA - WEBREPÓRTER
Horace Grant retribuiu carinho recebido na cidade de Franca

 

Franca, São Paulo. Para os mais longevos fãs da NBA, Horace Grant é uma figura peculiar, principalmente por conta dos óculos, marca registrada do ex-ala-pivô. Nos anos 80 e 90, ele brilhou ao lado de estrelas como Scottie Pippen, Dennis Rodman, Penny Hardaway, Shaquille O’Neal e o maior de todos, Michael Jordan. O fruto desta parceria vitoriosa rendeu ao jogador quatro anéis de campeão da NBA, um feito que poucos jogadores de basquete terão em toda a carreira. Na manhã desta sexta-feira, o ex-atleta esteve em uma creche na cidade de Franca para participar das ações sociais da Liga Nacional de Basquete, que realiza na cidade do interior paulista mais uma edição do Jogo das Estrelas do Novo Basquete Brasil. Grant, inclusive, será um dos jurados do esperado Desafio das Enterradas. “Eu estou esperando muita criatividade, muita força e, acima de tudo, eles têm que fazer as enterradas”, brincou. Bem-humorado, o jogador participou também de um bate-papo com a imprensa e destacou, entre outros pontos, o crescimento do basquete brasileiro com a parceria entre NBB e NBA, além da iniciativa de promover um Jogo das Estrelas juntando as Ligas masculina e feminina. “É a primeira vez que eu vejo esta combinação de homens e mulheres jogando juntos. Eu estou esperando por dias bastante animados e tomara que os fãs possam se divertir também. Eu acho esta ideia fantástica porque mostra que o basquete pode ser para todos”, disse. “Esta parceria (entre as ligas) é fantástica. Temos muitos jogadores brasileiros na NBA, já tivemos jogos da NBA aqui, no Brasil, e é muito bom trazer este profissionalismo ao basquete brasileiro”, complementou Horace, salientando também a paixão de Franca pela modalidade que o fez ser uma lenda. “Isto mostra o quanto o povo brasileiro é apaixonado pelo basquete. Eles amam esta modalidade, especialmente nesta cidade. Eu ouvi dizer que aqui tem uma grande tradição no basquete e espero ver isto nesta noite e amanhã também”, concluiu. Confira os outros trechos da entrevista de Horace Grant

Qualidades do basquete brasileiro

O que eu mais gosto no basquete brasileiro é paixão que os jogadores, sejam eles homens ou mulheres, têm pelo esporte. Esta paixão é ótima para a NBA e também é ótima para o basquete brasileiro. O trabalho duro, o jogo físico que os jogadores brasileiros trazem para o basquete é fantástico. Os destaques do Brasil na NBA

Eu, particularmente, gosto de alas/pivôs de força, caras como Varejão e Nenê. Gosto muito da movimentação deles no garrafão, a busca pelos rebotes, o comprometimento defensivo. Nenê é um grande jogador próximo ao garrafão. Os dois são para mim os grandes nomes do baquete brasileiro. Necessidade de aprimoramento

Discutindo o momento do basquete brasileiro, eu valorizo muito a paixão, o forte trabalho físico que os jogadores brasileiros estão levando para as quadras da NBA todas as noites. Eu acho que o Brasil tem agora mais infraestrutura, e isto pode fazer com que mais jogadores daqui possam ir para a NBA A diferença entre a NBA de hoje e a NBA dos anos 90

É o mesmo jogo, mas a diferença é que, nos meus dias, o jogo era bem mais físico. Os caras podiam bater mais e falar mais ‘bobagens’. Tínhamos jogos com muito mais contato, mas hoje o jogo é mais rápido, e você não pode fazer muitas das coisas que fazíamos porque pode ser considerado falta. Eu acho que a NBA está em uma grande posição hoje, mas se eu tivesse que escolher uma época, eu acredito que os anos 80 e 90 seriam minha era Mudanças no jogo

Não temos mais alas/pivôs de força (Power Forward) hoje. O que nós temos são alas mais rápidos, mais dinâmicos (Small Forward), como Chris Bosh. O Dirk é um jogador à parte, que pode atuar tanto como um ala quanto como pivô, ele pode fazer tudo. Mas eu acredito que este seja uma das grandes mudanças no jogo hoje, caras como estes estão chutando de três. Diferenças entre épocas

Eles mudaram a dinâmica do jogo porque estão chutando para três pontos, caras assim, na minha época, não faziam isto. Nós gostávamos de pegar os rebotes e fazer as coisas necessárias para que o time pudesse se sair melhor. Mas agora, caras como Pau Gasol, Dirk e Chris Bosh estão se deslocando mais pelo garrafão. Ausência dos óculos

Eu tenho as lentes, então não preciso ficar utilizando muito os óculos. Mas da próxima vez que eu vier aqui, vou trazê-los. Como seria o histórico de Orlando com Penny Hardaway saudável e longe das lesões?

Nós poderíamos ter ganho alguns campeonatos, pelo menos dois, três ou até mais porque éramos um time jovem, com Shaq e Penny bem novos, Nick Andersen, Denis Scott. Poderíamos ter feito bem mais. Comparações entre Michael Jordan e Kobe Bryant

Nós sempre podemos comparar, mas acho que nunca será justo com os dois. Eles sempre tiveram esta paixão pela vitória, sempre foram competitivos. Eu posso ver que a única diferença é que Michael tem seis campeonatos e Kobe tem cinco. Esta é a diferença básica. Derrick Rose e Penny Hardaway com histórias semelhantes

Infelizmente isto faz parte do jogo. Penny Hardaway se machucou naqueles anos, para mim ele poderia ser um dos 10 melhores jogadores que já pisaram na quadra. Quando ele estava saudável, nós éramos um grande time de basquete e a mesma coisa acontece com o Derrick Rose. Se Derrick não se machucasse tanto, ele seria um dos melhores jogadores da história. O que esperar de Derrick agora?

Tudo depende de sabermos o grau da lesão e como ele vai voltar a jogar.