Campanha de Popularização vende ingressos para peça cancelada em BH

Belo-horizontino deu com a cara na porta de teatro fechado, na noite dessa quinta-feira (5); organização da campanha assume erro na liberação da venda e devolverá dinheiro

iG Minas Gerais | Camila Kifer |

O que seria uma noite de diversão cultural acabou em frustração. Ao chegar na porta de um teatro para assistir a uma peça, na noite dessa quinta-feira (5), o funcionário público Gustavo Faria, 37, e sua namorada deram com a cara na porta.

"Encontramos tudo fechado. O teatro escuro. Não tinha ninguém para informar nada. Nem seguranças explicaram o que estava acontecendo", relatou.

Os bilhetes que eles compraram informava que a peça "Como fracassar na vida e ser infeliz no amor", seria apresentada às 21h, dessa quinta-feira (5), no teatro Francisco Nunes, no centro da capital, mas, ao chegar ao local, encontraram o teatro trancado, não tendo nem como obter informações.

"Comprei meu ingresso no dia 12 de janeiro. Mas, teve gente que comprou ingresso às 18h desta quinta", contou.

À reportagem de O TEMPO, a assessoria de imprensa do Sindicato dos Produtores de Artes Cênicas de Minas Gerais (Sinparc) informou que a venda de ingressos da peça “Como fracassar na vida e ser infeliz no amor”, que seria apresentada no Teatro Francisco Nunes, nos dias 5, 6, 7 e 8 de março, foi liberada por um erro no sistema e, por esse motivo, não havia nenhum responsável para receber e orientar o público.

A apresentação está cancelada desde o início da Campanha de Popularização Teatro e Dança, segundo o sindicato, e o cancelamento está registrado no site do órgão, no link de cancelamento de peças. "O Sinparc pede desculpas ao público pelo contratempo e informa que as pessoas que já adquiriram esses ingressos podem procurar os postos de venda para fazer a troca de ingressos ou ter a devolução do dinheiro".

"Agente não fica preocupado com o dinheiro. Ficamos chateados pela falta de respeito. Porque a cultura em BH é bem escassa. Aí faz uma campanha dessa para motivar o público e quando acontece esse tipo de coisa desanima agente", lamentou Faria.

A campanha está na sua 41ª edição.