Lourdes com sabor de Santê

Botequeiro Rômulo Bolinha fecha Bartiquim na zona Leste e transfere o negócio para o Centro-Sul

iG Minas Gerais | Lygia Calil |

HumbertoCatao
undefined

Dono de um dos mais tradicionais e premiados pontos de boemia de Belo Horizonte, o Bartiquim, o botequeiro Rômulo Bolinha acaba de trocar o bairro de Santa Tereza por Lourdes. Ele se uniu ao empresário Léo Marques e transferiu sua cozinha para o agora rebatizado Bartiquim Gonzaga.

Os principais pratos criados por ele foram trazidos na bagagem (veja o menu nesta página). Entre os destaques está o famoso polpetone de carne bovina e suína recheado com queijo, servido com molho de tomate, ideal para compartilhar. A galinhada para almoço aos sábados e domingos também aportou no novo bar.

Marcantes na culinária típica dos botecos mineiros, tira-gostos ensopados como pé de porco, língua e rabada aparecem no cardápio. “Trouxe o meu tempero e minhas receitas para Lourdes e, pelas respostas que já recebi, o público daqui tem gostado tanto quanto o de Santa Tereza”, avalia Bolinha.

A intenção, de acordo com ele, não é trocar um público pelo outro. “Quero que meus antigos clientes continuem fiéis como sempre e, ao mesmo tempo, que a clientela tradicional do Gonzaga continue se sentindo em casa. Minha chegada é uma união de forças”, diz.

Aberta no fim de fevereiro, em esquema “low profile”, mesmo sem divulgação a casa já registrou um aumento, segundo Bolinha. “As pessoas estão curiosas para experimentar. Aí vêm e, claro, voltam trazendo mais gente depois”, afirma.

Ainda segundo ele, foi possível notar um diálogo entre os dois cardápios para a fusão. Do menu original do Gonzaga, nenhum prato saiu. “Ele já tinha receitas que eu servia, como a moela e a carne de panela. Agora, as receitas têm o meu toque”, comenta o botequeiro.

O convite para a sociedade partiu de Léo Marques, dono do grupo Monjardim, à frente de outros três estabelecimentos na cidade: o Boteco da Carne, a Costelaria Monjardim e o restaurante Santa Rita. Segundo conta Bolinha, ele não hesitou em aceitar a proposta.

“Eu já vinha pensando em vender o bar em Santa Tereza por alguns motivos, como a queda no movimento depois do endurecimento da Lei Seca e a concorrência grande na área. Como eu já era amigo do Léo, foi fácil tomar a decisão”, diz.

Na parceria, as funções são bem delimitadas: Bolinha é o responsável pela cozinha, enquanto Léo segue na administração. “Por ter vários outros negócios, o Léo nem sempre conseguia estar no bar, alguns clientes vinham reclamando disso, inclusive. Agora, eu estou e estarei sempre por aqui para receber todo mundo”, garante o cozinheiro.

O antigo ponto onde o Bartiquim funcionava havia 14 anos foi vendido, mas ainda não há previsão para que seja reaberto, sob outro nome.

Veja alguns dos pratos trazidos do Bartiquim

Língua ensopada com purê de bata e torresmo, R$ 38,90 (três pessoas) Galinhada, R$ 59,90 (duas pessoas) Bacalhau na brasa, R$ 79 (duas pessoas) Rabada ao molho com folhas de mostarda, R$ 38,90 (duas pessoas) Torresmo de barriga, R$ 39 (três pessoas) Polpetone ao sugo com cesta de pães, R$ 38,90 (duas pessoas)

Bartiquim Gonzaga, rua Tomaz Gonzaga, 578, Lourdes. (31) 2512-8578

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave