Taxa de homicídios volta a crescer em fevereiro

Segundo mês de 2015 registrou 20 assassinatos, contra 18 do mesmo período de 2014; neste ano, até quinta (5), 59 haviam sido executados

iG Minas Gerais | DAYSE RESENDE |

A taxa de homicídios em Betim, que em janeiro foi a mais alta da história, com 38 execuções, continua alarmante. Em fevereiro, segundo levantamento feito pela reportagem de O Tempo Betim com base em informações das polícias Civil e Militar, pelo menos 20 pessoas foram assassinadas em regiões diferentes da cidade.

A média é 11% maior que a do mesmo período do ano passado, quando ocorreram 18 mortes. Neste ano, até quinta-feira (5), 59 ocorrências de execuções já haviam sido registradas na cidade. A última vítima foi um homem. Ele foi assassinado no Citrolândia.

Perfil da violência A situação mais preocupante é nas regiões Central e no Imbiruçu. Ao todo, 40% das ocorrências foram registradas nestas áreas no último mês. Em um dos casos, um homem de 27 anos foi linchado, no último dia 21. O crime aconteceu depois de a vítima agredir a namorada dentro de um bar.

Segundo o relato de testemunhas à Polícia Militar (PM), Germano Aparecido Vera estaria inconformado com o fim do relacionamento que mantinha com uma mulher de 33 anos. Eles estavam em um bar na rua Doze, e, depois de uma discussão, o homem teria quebrado uma garrafa de cerveja e, com o gargalo, ferido a ex-namorada no pescoço.

Ele deixou o local correndo, mas foi perseguido por um grupo de pessoas e morto a pedradas, a dois quarteirões do bar. A perícia foi acionada e constatou afundamento de crânio. A mulher teve apenas ferimentos superficiais.

Já a faixa etária com o maior número de vítimas foi entre 31 e 50 anos. Ao todo, nessa faixa etária  foram sete execuções (35% do total de crimes). Em seguida, vêm as pessoas com idade entre 19 e 30 anos, representando 30% da totalidade. Ao contrário do que ocorreu em janeiro, a execução de jovens com idades entre 13 e 18 anos foi a minoria no último mês, representando apenas 15% das ocorrências. Já as mulheres continuam sendo a minoria das vítimas, já que 90% dos crimes envolveram pessoas do sexo masculino.

Prevenção Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Segurança Pública informou que integrantes das polícias Civil e Militar, do Ministério Público, dos Poderes Legislativo e Judiciário, da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), dentre outras entidades, se reuniram na quinta-feira (5), por meio do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM), para fazer uma análise dos homicídios nos diversos bairros de Betim.

 

Homem é morto na porta do serviço

Em março, o primeiro homicídio foi registrado na quinta-feira (5), no Citrolândia. Um homem de 53 anos foi executado na porta da loja em que trabalhava.

De acordo com informações da Polícia Militar (PM), a vítima foi atingida por uma arma de fogo diversas vezes. Todos os disparos acertaram a sua cabeça, e uma grande quantidade de massa encefálica ficou espalhada pela calçada.

O crime aconteceu na rua Vereador Rafael Barbizam, por volta das 9h30. Testemunhas informaram aos militares que a vítima, que era conhecida como Paulista, estava chegando ao seu local de trabalho, uma loja que presta serviços de despachante, quando foi abordada por um homem encapuzado.

“O suspeito teria descido do carro, atirado e fugido”, disse o sargento Firmino, que atendeu à ocorrência. A vítima não tinha passagens pela polícia. A suspeita é que o crime tenha sido passional. “Um testemunha nos contou que a vítima era um namorador. Então, nós vamos repassar essas informações para a Polícia Civil”, ressaltou o militar. Ninguém foi preso.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave