Ex-ministro não é encontrado, e depoimento na Lava Jato é adiado

Um oficial de Justiça tentou intimar Paulo Bernardo na semana passada em um prédio residencial na capital paranaense, mas um funcionário do condomínio informou que ele não mora mais no local

iG Minas Gerais | Folhapress |

undefined

O ex-ministro Paulo Bernardo não foi encontrado por oficiais da Justiça Federal do Paraná e um depoimento dele que tinha sido marcado para a manhã desta quinta-feira (5) acabou adiado.

Paulo Bernardo foi arrolado como testemunha pela defesa de Ricardo Pessoa, presidente da empreiteira UTC que está preso em Curitiba e é réu em um dos processos envolvendo a Operação Lava Jato.

Um oficial de Justiça tentou intimar Bernardo na semana passada em um prédio residencial na capital paranaense, mas um funcionário do condomínio informou que ele não mora mais no local.

A defesa de Pessoa informou então à Justiça Federal que iria contatar a direção do PT em São Paulo para obter o endereço correto. E afirmou que "informações de redes sociais" apontam que ele se mudou para o interior paulista. Até esta quinta, no entanto, o ex-ministro não foi localizado.

O petista, que é marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), foi ministro do Planejamento nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e comandou a pasta das comunicações até dezembro, no primeiro mandato de Dilma Rousseff.

Ainda nesta quinta, vai depor na Justiça Federal em Curitiba o empresário Shinko Nakandakari, apontado como um dos operadores de pagamentos de propina na Petrobras.

Leia tudo sobre: lava jatolavajato