Coreia do Norte considera ataque ao embaixador em Seul "castigo justo"

Embaixador Mark Lippert foi atacado por homem armado com uma faca; segundo a polícia, o agressor alegou ser contra decisão dos EUA de manter exercícios militares na Coreia do Sul

iG Minas Gerais | AFP |

Governo americano condenou o
YONHAP / AFP
Governo americano condenou o "ato de violência" e, após o ataque, o presidente Barack Obama telefonou para o diplomata

A Coreia do Norte considerou nesta quinta-feira (5) o ataque com uma faca contra o embaixador americano em Seul, Mark Lippert, um "castigo justo", pela decisão dos Estados Unidos de seguir adiante com os exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul.

"Castigo justo para os belicistas americanos": este é o título de um breve comunicado da agência de notícias oficial KCNA.

A agência afirmou que o ataque a Lippert por um ativista nacionalista reflete a postura da opinião pública sul-coreana, "que é crítica a respeito dos Estados Unidos por provocar uma crise bélica na península coreana por seus exercícios militares conjuntos" com Seul.

A KCNA classificou o ataque de "expressão de resistência" válida.

As manobras conjuntas anuais, que sempre são motivo de tensão com a Coreia do Norte, começaram na segunda-feira e mobilizam milhares de tropas americanas e sul-coreanas.

O homem que atacou Lippert, Kim Ki-Jong, contou à polícia que o motivo de sua ação foi a contrariedade com os exercícios militares.  

Leia tudo sobre: Coreia do NorteataqueembaixadorSeulamericanoobamacoreia do sulcastigo