Ministro defende fim de sigilo da lista de Janot

Procuradoria-Geral da República enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nessa terça-feira (3) 28 pedidos para investigar 54 pessoas envolvidas na Operação Lava Jato

iG Minas Gerais | Folhapress |

Ao contrário do que que alguns petistas têm defendido, o ministro Pepe Vargas (Relações Institucionais) afirmou nesta quarta-feira (4) ser a favor do fim do sigilo sobre a lista de pessoas que a Procuradoria-Geral da República deseja que sejam investigadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

"Temos que trabalhar no clima de que ninguém que está sendo investigado sofreu uma condenação, sequer uma denúncia. Então, é importante que essa lista venha logo e que se tire o sigilo de cima dela até para que a coisa fique clara, transparente e tire, digamos assim, esse clima de uma certa ansiedade, de especulações. Tem gente que é dita que está na lista e que pode nem estar", disse.

Nessa terça (3), a Procuradoria-Geral da República enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) 28 pedidos para investigar 54 pessoas envolvidas na Operação Lava Jato. Entre elas estão os presidentes da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Foram listados políticos e pessoas sem o chamado foro privilegiado. Nenhuma denúncia direta foi feita pelo procurador-geral, Rodrigo Janot.

Uma força-tarefa de 11 procuradores chefiada por Janot trabalha desde janeiro nas delações premiadas da Lava Jato que envolvem políticos.

A expectativa pela divulgação da lista de políticos envolvidos no esquema de corrupção da Petrobras tumultuou a rotina dos congressistas, provocou uma onda de apostas sobre quem estaria na relação entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF) e boatos sobre as ações do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Leia tudo sobre: Lava jato