UE diz que piloto ucraniana detida na Rússia corre risco de morte

Savchenko, detida no início de julho na Rússia, segundo Moscou - os ucranianos afirmam que os separatistas a capturaram e a entregaram aos russos

iG Minas Gerais | AFP |

A piloto ucraniana detida na Rússia, Nadia Savchenko, em greve de fome há mais de dois meses, pode morrer se não for libertada, se indignou nesta quarta-feira a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

"Savchenko já passou 82 dias em greve de fome. Após um período tão longo, corre risco de que sua saúde se deteriore de maneira irreversível, ou de morrer", afirmou Mogherini em um comunicado.

A chefe da diplomacia reiterou seu pedido às autoridades russas para que liberem "com urgência" esta mulher de 33 anos por "razões humanitárias".

Savchenko, detida no início de julho na Rússia, segundo Moscou - os ucranianos afirmam que os separatistas a capturaram e a entregaram aos russos -, é acusada do "assassinato premeditado" de dois jornalistas russos no leste da Ucrânia em meados de junho.

A justiça russa afirma que a piloto comunicou o exército ucraniano a posição dos dois jornalistas, abatidos com um tiro de morteiro. Segundo os investigadores, poderá ser condenada à morte ou à prisão perpétua.

Sua prisão lhe rendeu uma grande popularidade na Ucrânia, onde foi eleita simbolicamente deputada nas legislativas de outubro, como líder de lista do partido Bakivchtchina (Pátria) da ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko.

A piloto perdeu 20 quilos desde que começou seu protesto.

Leia tudo sobre: ucrâniaunião europeiapilotogreve de fome