Venda de veículos cai 27%, e fevereiro é o pior mês em 6 anos

Crédito mais difícil e disparada de preço com o fim do IPI reduzido explicam fracasso do setor

iG Minas Gerais | Ana Paula Pedrosa |

Varejo. Concessionárias estão cheias de veículos para vender e aguardam o retorno do consumidor, mas quase não há promoções
MARIELA GUIMARAES / O TEMPO
Varejo. Concessionárias estão cheias de veículos para vender e aguardam o retorno do consumidor, mas quase não há promoções

Nesta terça, o microempresário Paulo José dos Santos buscou numa concessionária o carro novo que acabou de ser emplacado. Mas ele é praticamente uma exceção, num mercado que está em queda livre. Em fevereiro, foram emplacados 179.083 automóveis e comerciais leves no Brasil, queda de 26,6% em relação janeiro e de 27,1% na comparação com fevereiro de 2014.

De acordo com a agência AutoInforme, é o pior resultado em seis anos e meio: pela primeira vez desde fevereiro de 2009, as vendas mensais ficam abaixo de 200 mil unidades. O número também se aproxima do auge da crise de 2008, quando foram emplacadas apenas 166 mil unidades em novembro. No caso de Santos, a compra foi para não perder um negócio: ele vai alugar o veículo e prevê o retorno do investimento em um ano e meio. “Se fosse pelo preço, não compraria”, diz ele, que adiou a troca do seu veículo particular. “Ia trocar agora, mas vou esperar pelo menos até o fim do ano”, afirma o microempresário. De acordo com o Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos de Minas Gerais (Sincodiv-MG), as vendas no Estado foram ainda piores do que o registrado no país, com queda de 33,37% em relação a janeiro. As causas, no entanto, são as mesmas. O presidente do Sincodiv, Camilo Lucian, atribui a queda ao aumento de juros, que encareceu o crédito para o consumidor, e à recomposição do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) acrescenta outras razões: o menor número de dias úteis de fevereiro em relação a janeiro e a baixa confiança do consumidor na economia. Pessimista. Diante do cenário, a Fenabrave reviu para baixo sua previsão de vendas para o ano. A entidade espera agora que os emplacamentos de veículos novos deverão somar 2,48 milhões de unidades em 2015, queda de 10% ante o ano passado. Em 2014 ante 2013, as vendas caíram 7,1%. A nova previsão é bem mais pessimista do que a queda de 0,53% estimada no início do ano. O segmento de caminhões deverá ter o pior desempenho, com queda de 10,5%. A projeção anterior era queda de 1,2%. Já a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) trabalha com previsão de estagnação do mercado. A Fenabrave informou ainda que o estoque médio atual de veículos nas concessionárias e fábricas é equivalente a 55 dias de vendas, volume considerado três vezes superior ao ideal.

Liderança Bimestre. No primeiro bimestre, a Fiat liderou as vendas, com 19,4% do mercado, seguida pela GM (17%). O carro mais vendido foi o Palio. O Gol, ex-líder de vendas, está em sétimo lugar.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave