Ser bonito também pode ser prejudicial, afirmam psicólogas

Diante de evidências reunidas em estudos feitos nos últimos dez anos, Lisa Walker e Tonya Frevert perceberam que a beleza é algo que carrega uma espécie de aura

iG Minas Gerais | Da Redação |

É difícil de acreditar, mas estudos revelam que ser bonito pode ter um lado negativo. A constatação é de uma dupla de psicólogas da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, que, após analisar uma série de pesquisas sobre o assunto, afirma que a beleza tem lá suas maldições.

Diante de evidências reunidas em estudos feitos nos últimos dez anos, Lisa Walker e Tonya Frevert perceberam que a beleza é algo que carrega uma espécie de aura. “Quando vemos alguém com um atributo positivo, nosso subconsciente, por associação, acredita que aquela pessoa também tem outras qualidades”, explica Walker, em entrevista à BBC.

Mas, em alguns casos, essa premissa não vale. As doenças são encaradas com menos seriedade quando afetam os bonitões. Ao tratarem de pacientes com dores, por exemplo, os médicos tendem a descuidar das pessoas mais bonitas. Além disso, a “bolha” criada em volta da beleza também pode criar um certo isolamento.

Até na hora de pedir emprego a beleza pode atrapalhar, principalmente se o entrevistador tiver o mesmo sexo do candidato.

Superficial

As psicólogas responsáveis pelo estudo, no entanto, enfatizam que as influências da beleza são superficiais e não estão arraigadas na biologia, como alguns cientistas já sugeriram.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave