A natureza sob novo olhar

Conversa com o espanhol Daniel Steegmann é destaque no encerramento da exposição “Do Objeto Para o Mundo”

iG Minas Gerais | lucas buzatti |

“16 mm”. 
Filme de Steegmann mostra um percurso em linha reta através de uma floresta brasileira
unknown
“16 mm”. Filme de Steegmann mostra um percurso em linha reta através de uma floresta brasileira

Quase três meses depois, chega ao fim a exposição itinerante “Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim”, que levou parte do acervo de Inhotim para o Palácio das Artes. Integrando a programação de encerramento da mostra, acontece nesta quarta, no Teatro João Ceschiatti, uma conversa com o artista espanhol Daniel Steegmann. Integrante da exposição, ele contará um pouco sobre sua trajetória e comentará, também, seu filme “16 mm”, que será exibido durante o evento. A entrada é gratuita e por ordem de chegada, sendo que o teatro tem lotação máxima de 148 pessoas.

Curador da exposição, Rodrigo Moura será o mediador da conversa – da qual participa com gosto, dada sua admiração pelo trabalho de Steegmann. “Conheci o Daniel em 2004. Ele era um garoto catalão, recém-chegado ao Brasil, que namorava uma amiga minha, também artista plástica”, conta. “Na época, conheci os trabalhos que ele fazia, de uma delicadeza impressionante. Ele pegava um galho de árvore, com várias ramificações e gravetos, e secionava aquilo com um corte fino no meio, como se fosse uma alteração cirúrgica. Uma linha que atravessava a matéria de fora a fora. Aquilo me fascinou. Era uma coisa tão naturalmente bonita que não parecia nem ser arte”, relembra.

Moura conta que, anos depois, reencontrou o artista e percebeu que o interesse de Steegman pela natureza só havia aumentado. “Ele é um dos artistas dessa geração que eu acompanho que mais se aproximaram da natureza. Estudou Levy Strauss e aprendeu a filosofia indígena, em que não existe separação entre cultura e natureza, absorvendo isso de forma muito potente em seu trabalho”, pontua. “O interessante é que, apesar de espanhol, a arte dele dialoga muito com essa tradição orgânica brasileira. Com Tarsila de Amaral, Lygia Clark. Ele pega essa ideia de geometria e faz uma leitura muito bonita, muito original”, defende.

Para o curador, o filme “16 mm” coroa a relação de Daniel Steegmann com a arte e a natureza de forma incrivelmente inventiva. “O filme mostra, basicamente, uma linha reta atravessando uma floresta. Uma câmera que parece levitar, fazendo um voo raso pela paisagem natural”, explica Moura, ressaltando o processo de elaboração da obra. “O filme foi feito através de uma espécie de tecnologia que o Daniel desenvolveu. Ele esticou um cabo de aço, cruzando a floresta, e criou um maquinário que carrega a câmera, fazendo movimentos na mesma velocidade que o 16 mm é exposto”, descreve. Rodrigo Moura acentua, ainda, que o filme (que tem pouco mais de cinco minutos de duração) quebra as barreiras temporais ao ser exibido em loop na exposição. “É como um transe. Aquele ‘espírito’ pairando na floresta, sem parar. Tem uma simultaneidade de tempo e espaço que é muito simbólica. Do fim, volta ao início”, reflete.

Balanço positivo. Entre os dias 12 de dezembro de 2014 e 1º de março, a exposição “Do Objeto para o Mundo” recebeu 46.282 visitantes, que puderam conferir as mais de 50 obras do acervo de Inhotim no Palácio das Artes. Agora, após o encerramento, no dia 8 de março, ela segue para São Paulo, onde terá início em 1º de abril, no Itaú Cultural, apresentando uma nova gama de obras. “Essa itinerância leva ao público obras que são de difícil acesso, além de ser uma oportunidade de rever, reinterpretar e propor novos olhares para o acervo de Inhotim”, diz.

Agenda

O QUÊ. Conversa com Daniel Steegmann

QUANDO. Nesta quarta, 19h30

ONDE. Teatro João Ceschiatti – Palácio das Artes (avenida Afonso Pena, 1.537, centro)

QUANTO. Entrada franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave