Homem que agrediu mulher e esperou ela morrer é preso

O motivo da briga foi porque a mulher não queria atravessar com o homem para a outra margem do açude, onde estavam bebendo e se divertindo

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

O homem que agrediu a mulher e esperou ela morrer sem socorro em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, foi apresentado nesta terça-feira (3) pela Polícia Civil. O crime aconteceu porque o homem não gostou quando a mulher disse que não ia atravessar para a outra margem do açude onde estavam.

Segundo a delegada Renata Ribeiro Fagundes, o homem de 28 anos e a mulher, de 32, haviam ido para uma cachoeira no bairro Honório Bicalho nessa segunda-feira (2). De acordo com o depoimento do suspeito, eles ficaram bebendo cerveja desde 15h no local e, por volta de 17h30, tiveram uma discussão.

O motivo, segundo a delegada, foi o fato de o homem querer atravessar para a outra margem do açude e a mulher se recusar. Por isso, ele começou a agredi-la com socos e chutes e ela acabou caindo e batendo a cabeça em uma pedra.

Ainda conforme o relato do suspeito à delegada, ele não a ajudou porque ficou esperando ela melhorar. Depois de muito tempo esperando, quando ele percebeu que ela estava com o corpo meio "mole", ele foi procurar ajuda, mas já era tarde demais. A mulher estava morta devido a um traumatismo cranioencefálico. 

O suspeito foi preso em flagrante durante a noite. Ele já tinha sido preso no ano passado por ter agredido a vítima, mas os dois acabaram reatando quando ele saiu da prisão. O casal estava junto há dois anos e não tinha filhos.

Ainda de acordo com a delegada, a luta contra esse tipo de crime é no sentido de evitar a reincidência, como aconteceu neste caso. "A nossa luta maior é evitar a reincidência, porque as vítimas, como esta, muitas vezes, já haviam registrado queixa contra o companheiro, pedido medidas protetivas, mas acabam voltando a se relacionar com o autor. A gente tem que tentar romper esses vínculos", explica.

Ainda segundo ela, os motivos que levam as mulheres a reatar o relacionamento com seus agressores são vários, como dependência financeira, dependência psicológica, receio de ficar sozinha, a falta de uma qualificação profissional e, às vezes, até mesmo ameaças por parte do suspeito e medo dele.

O suspeito está detido no presídio de Nova Lima e deve responder por homicídio qualificado como motivo fútil. Para este tipo de crime, a pena varia de 12 a 30 anos.  

Leia tudo sobre: crimeassassinatoHonório Bicalhoaçudecachoeiradia da mulher