Contrabando leva a perdas de até R$ 100 bilhões por ano ao país

Entre os itens mais contrabandeados mais apreendidos, o cigarro lidera o ranking, com 67,44% de todo o contrabando

iG Minas Gerais | Folhapress |

Carga estava em um caminhão e nos fundos de uma casa às margens da rodovia
Polícia Rodoviária Federal/Divulgação
Carga estava em um caminhão e nos fundos de uma casa às margens da rodovia

O contrabando de mercadorias é responsável por tirar cerca de R$ 100 bilhões do mercado formal brasileiro todos os anos. A estimativa é do economista e presidente do Idesf (Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras), Luciano Barros, e considera prejuízos da indústria e impostos não pagos.

O estudo foi divulgado da manhã desta terça-feira (3)

Apenas pela fronteira de Foz do Iguaçu, no Paraná, passam anualmente R$ 20 bilhões em mercadorias ilegais.

Entre os itens mais contrabandeados mais apreendidos, de acordo com estudo realizado pelo Idesf, o cigarro lidera o ranking, com 67,44% de todo o contrabando que entra apenas pela fronteira de Foz do Iguaçu.

Só considerando os cigarros apreendidos em Foz, são cerca de R$ 6,4 bilhões de perdas, considerando os prejuízos da indústria e a não tributação. Só de tributos, o governo deixa de arrecadar algo em torno de R$ 4,5 bilhões.

Além do prejuízo para as indústrias e cofres públicos, o economista destaca ainda a informalidade. Em Foz do Iguaçu, por exemplo, considerando a PEA (População Economicamente Ativa) apenas 29% trabalham formalmente.

De acordo com o estudo, apenas na fronteira de Foz do Iguaçu cerca de 15 mil pessoas envolvidas diretamente com o contrabando e que média salarial R$ 985. São carregadores, motoristas, olheiros, pessoas que fazem entrega de mercadorias, entre outros.

"O que vemos é uma grande informalidade na economia das cidades de fronteira", ressalta o economista.

O Brasil tem cerca de 16.850 km de fronteira, passando por 10 países e 11 Estados.

Sacoleiros

Barros constata ainda que os chamados sacoleiros, pessoas que realizam compras no Paraguai para revender no Brasil, tem impacto pequeno dentro do montante que passa pela fronteira.

"O contrabando pesado mesmo é feito por um grupo extremamente organizado e que causa prejuízos bilionários à indústria nacional e aos cofres públicos."

"Para se ter uma ideia, cerca de 60% dos carros que fazem o contrabando para essas organizações são roubados ou financiados e as prestações não são pagas", conta o presidente do Idesf.

E, ainda de acordo com Barros, 62% dos veículos apreendidos pela Receita Federal e que vão para o pátio do órgão estavam carregados com cigarros.

Combate

Para o economista, três medidas poderiam contribuir para reduzir a entrada de mercadorias de forma ilegal: valorização da fronteira, com reforço da segurança; agenda positiva com o Paraguai, para que os dois países encontrem alternativas de evitar a ilegalidade e, consequentemente, ambos se desenvolverem sustentavelmente; e a revisão da carga tributária brasileira.

"A lógica do contrabando é financeira. Se encher as fronteiras de policiais, o custo Brasil vai subir muito. Tem que repensar o modelo tributário. Baratear o custo dos produtos inviabiliza o contrabandista", avalia Barros.

Leia tudo sobre: contrabandocigarrodívida