Verba para hospitais cai 72%

Rede Fhemig teve no ano passado o menor orçamento desde 2007; João XXIII precisa de reforma

iG Minas Gerais | bernardo miranda |

 HPS sofre com problemas hidráulicos desde o ano passado
ALEX DE JESUS/O TEMPO
HPS sofre com problemas hidráulicos desde o ano passado

A verba destinada à gestão de urgência e emergência na rede da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig) caiu 72% em 2014, em relação a 2013. No orçamento do ano passado, foram destinados R$ 11,2 milhões, contra R$ 41,4 milhões, no ano anterior. A redução do investimento se torna mais preocupante após os problemas enfrentados no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS), que sofre com o sistema hidráulico antigo, que provocou a queda do teto na sala de politraumatismo, no último sábado.

O investimento no ano passado é o menor desde 2007, quando esse modelo de divulgação de orçamento passou a ser adotado. Desde então, a rubrica nunca havia ficado abaixo de R$ 30 milhões. Para 2015, a previsão é que sejam investidos R$ 58,7 milhões. Os recursos da Fhemig são de responsabilidade do governo do Estado, complementados com verbas da União.

O maior pronto-socorro de Minas, o João XXIII, recebe por dia mais de 300 pacientes, com especialidade em politraumatismo, queimaduras e picadas de animais peçonhentos. Segundo profissionais que atuam na unidade, o prédio precisa urgentemente de reforma no sistema hidráulico. No último sábado, a sala de politraumatismo teve que ser interditada depois que um vazamento na tubulação provocou a queda de parte do teto onde há 20 leitos para pacientes com fraturas.

“Essa não é a primeira vez que temos problemas. Já perdemos um tomógrafo por causa da água que caiu sobre o aparelho, e o equipamento novo, que substituiu o danificado, está no mesmo local, que não passou por reforma. Ainda há goteiras em outras alas importantes, como a sala de raio X”, contou uma servidora, que pediu para não ser identificada.

A assessoria da Fhemig informou que os problemas na sala de politraumatismo já foram solucionados e que os pacientes estão de volta aos leitos. Segundo o órgão, está sendo feita uma vistoria em toda a rede hidráulica para identificar possíveis irregularidades e providenciar o reparo. A Fhemig também explicou que o vazamento na sala do tomógrafo, há dez meses, foi provocado pelo entupimento da calha e que, desde então, a manutenção no local é feita periodicamente.

Sobre a redução dos investimentos na urgência e emergência, a Secretaria de Estado de Saúde (SEE) informou que se trata de problemas na gestão anterior. A reportagem procurou a assessoria do PSDB, mas não obteve resposta.

Saiba mais

Problemas no HPS. Em abril do ano passado, uma forte chuva inundou a sala onde ficavam os dois tomógrafos do Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. Os aparelhos foram danificados, e a unidade ficou mais de dois meses sem oferecer o serviço.

Vazamento. No último sábado, a água voltou a trazer problemas para o hospital, dessa vez devido a um vazamento na tubulação. O acúmulo de água provocou o desabamento do teto da sala de politraumatismo, que teve que ser interditada. No momento havia 15 pacientes no local.

Varredura. A Fhemig informou que está fazendo uma vistoria em toda a rede hidráulica da unidade. O objetivo é identificar previamente possíveis problemas para evitar transtornos, como o que ocorreu no último fim de semana.

Movimentado. O João XXIII é o maior pronto-socorro do Estado e atende, em média, 300 pessoas por dia. Em janeiro deste ano, foram 8.548 pacientes que receberam tratamento no setor.

Investimento O Ministério da Saúde informou que investiu R$ 5 bilhões na criação e ampliação de postos de saúde no Brasil, desde 2011. O balanço do programa Requalifica UBS, voltado para as Unidades Básicas de Saúde foi divulgado nesta segunda. Segundo o estudo, há em funcionamento mais de 40,6 mil postos no país. Desse total, 26 mil foram construídos nos últimos quatro anos. Há 22,7 mil obras em andamento, e a previsão é que outras 14 mil sejam iniciadas nos próximos anos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave