Explosão perto de Supremo Tribunal egípcio mata dois no Cairo

Um homem de 22 anos "morreu devido aos ferimentos na coluna vertebral" e uma segunda vítima, de 24 anos, morreu devido a hemorragias internas e com um ferimento na cabeça

iG Minas Gerais | AFP |

A explosão de uma bomba perto do Supremo Tribunal egípcio, no centro do Cairo, deixou dois mortos e nove feridos, informou o ministério da Saúde nesta segunda-feira.

Este tipo de atentado é frequente no Egito, onde grupos jihadistas têm multiplicado os ataques contra as forças de segurança desde que o exército depôs o presidente islamita, Mohamed Mursi, em julho de 2013.

Um homem de 22 anos "morreu devido aos ferimentos na coluna vertebral" e uma segunda vítima, de 24 anos, morreu devido a hemorragias internas e com um ferimento na cabeça, informou o porta-voz do ministério da Saúde, Hossam Abdel Ghaffar. 

O funcionário disse que há nove feridos, dos quais sete são policiais.

A explosão ocorreu em horário de rush, em um bairro muito movimentado do Cairo. A bomba, que estava escondida debaixo de um carro, segundo a polícia, parecia ter sido instalada para atacar os agentes que vigiam o Supremo Tribunal.

O garçom de um café próximo disse à AFP ter se jogado na rua ao ouvir a explosão. "Vi três pessoas caídas no chão, banhadas em seu próprio sangue", explicou.

A polícia isolou o perímetro e homens do esquadrão anti-bomba, acompanhados de cães, rastrearam o local depois do ataque.

Os 'jihadistas' que praticam ataques no Egito dizem agir em represália à sangrenta repressão lançada pelo poder contra os seguidores de Mursi.

Nos meses que se seguiram à destituição do presidente, pelo menos 1.400 manifestantes islamitas morreram e mais de 15.000 foram presos. Centenas foram condenados à morte após julgamentos expeditivos. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave