Festa em que mineiro morreu só tinha uma ambulância com chá de boldo

Segundo delegado, ambulância não tinha nem sequer um kit de primeiros socorros e enfermeira só recebeu R$ 100; festa era para 2.000 pessoas

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Universitario de 23 anos morreu após entrar em coma alcoólico
Reprodução / TV Globo

Os organizadores da festa em que o universitário mineiro Humberto Moura Fonseca, de 23 anos, consumiu dezenas de doses de vodka e acabou morrendo no último sábado (28), em Bauru, no Estado de São Paulo, pagaram R$ 100 para uma enfermeira e a mesma quantia para o motorista da ambulância presente no local, que trazia apenas uma maca, uma tábua e chá de boldo para os presentes. O evento teve cerca de 2 mil pessoas e cobrou ingressos de mais de R$ 45 por pessoa.

A informação foi repassada nesta segunda-feira (2) pelo delegado Kléber Granja, que é responsável pela investigação do caso. "Na madrugada de domingo (1) ouvimos o motorista e a enfermeira, que receberam essa quantia para cada um. Segundo a profissional da saúde, ela não tinha nenhum suporte para auxiliar os presentes, uma vez quem nem sequer um kit de primeiros socorros havia na ambulância disponibilizada. Só mesmo folhas de boldo amassadas com água", relatou o policial.

Diante da quantidade de ingressos vendidos, o delegado concluiu que havia condições de contratação de um suporte técnico adequado. "Uma das rotinas da gincana universitária era o rodízio alcoólico, em que quem consumia mais bebidas vencia. A questão é que estar regras foram estipuladas pelos próprios organizadores. Era previsível que poderia ter causado complicações na saúde das pessoas presentes", disse.

Diante disso, o delegado indiciou os dois organizadores por homicídio com dolo eventual, quando se assume o risco de matar, e lesão corporal. "Acho importante deixar claro que eles foram liberados não por minha causa, mas por conta de uma decisão judicial. Por terem bons antecedentes e residência fixa, a Justiça decidiu pela liberdade provisória deles", defendeu-se Granja.

Possibilidade de problema cardíaco

Ainda conforme Kléber Granja, o laudo da autópsia ainda determinou a causa mortis, entretanto, uma entrevista com o médico legista permitiu adiantar que existe a possibilidade de Fonseca ter morrido devido à um problema cardíaco. "Foi descoberta uma hipertrofia do músculo cardíaco, que estava dilatado. Segundo o legista, isso pode ser em decorrência de uma doença cardíaca que ele já tinha e não sabia ou pode ter sido causada pela ingestão exagerada de bebidas alcoólicas", afirmou.

Para o policial, ainda que a vítima já tivesse o problema no coração, a competição alcoólica pode ter contribuído para a morte. "Até agora o que a investigação aponta, principalmente pelo depoimento das vítimas, é que o universitário ingeriu dezenas de doses da bebida que tem 38% de álcool. É fácil de se imaginar que essa quantidade poderia gerar problemas nos órgãos internos, já que o principal problema causado é a desidratação, que pode levar à parada cardíaca", explicou. 

Relembre

Segundo a Polícia Militar de Bauru, a festa começou na tarde de sábado (28) em um sítio do bairro Jardim Ouro Verde. A maioria dos convidados era universitários moradores de repúblicas do município.

Humberto Moura Fonseca, que é de Passos, no Sul de Minas, e estudava engenharia elétrica na cidade paulista, e outras cinco pessoas passaram mal ainda no começo da festa. Eles foram encaminhados ao Pronto-Socorro Municipal, mas o estudante não resistiu. Ainda conforme a corporação, três meninas também foram internadas em estado grave. 

A festa foi organizada e divulgada pelo Facebook. Nas postagens, ainda segundo a polícia, os participantes informavam que haveria uma competição para saber “quem bebia mais”. No anúncio da festa na rede social, os organizadores informaram que o evento seria open bar. Entre as bebidas disponíveis estavam cerveja, catuaba, vodka, energético, pinga de sabor e suco. A entrada na comemoração era permitida apenas para maiores de 18 anos.

O corpo de Fonseca foi transferido para Passos e foi sepultado neste domingo (1º).