Papa quer Igreja Católica de “portas abertas” no Norte da África

Agradeceu pelo trabalho da Igreja na Líbia, pela “coragem, lealdade e perseverança” que demonstrou o seu clero - consagrados e laicos - ao permanecer na região, “apesar dos múltiplos perigos”

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

Papa Francisco prega necessidade de a Igreja Católica ter
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Papa Francisco prega necessidade de a Igreja Católica ter "portas abertas" no Norte da África

O papa Francisco dirigiu-se hoje (2) às igrejas católicas do Norte da África e recomendou que evitem o proselitismo e acolham a todos os fiéis para demonstrar que são comunidades “de portas abertas”.

“Acolhendo a todos com benevolência, sem proselitismo, as vossas comunidades demonstram ser uma Igreja de portas abertas”, disse, diante dos bispos da Conferência Episcopal da Região do Norte da África, durante visita ad limina.

A visita ad limina apostolorum (visita aos túmulos dos apóstolos) é uma obrigação dos bispos diocesanos e outros prelados da Igreja Católica irem ao papa e aos túmulos dos apóstolos São Pedro e São Paulo, a cada cinco anos.

O papa lembrou aos prelados da Argélia, Líbia, Marrocos, Saara Ocidental e Tunísia, que representam “uma periferia”, e agradeceu-lhes pelo trabalho de cada um, apesar das “explosões de violência” registadas na região, especialmente na Líbia.

“O Norte da África, há anos, converteu-se numa terra de conquista de maior liberdade de consciência, de dignidade e, ao mesmo tempo, num campo de batalha para quem as mudanças se impõem brandindo as armas”, disse.

Por esta razão, agradeceu pelo trabalho da Igreja na Líbia, pela “coragem, lealdade e perseverança” que demonstrou o seu clero - consagrados e laicos - ao permanecer na região, “apesar dos múltiplos perigos”.

“Eles são testemunhas autênticas do evangelho. Agradeço-os muito e animo-os a continuar com seus esforços a favor da paz e reconciliação em toda a região”, assinalou o papa.

Francisco voltou a advogar pelo diálogo interreligioso, para “construir onde muitos destroem”.

“A caridade é capaz de abrir numerosos caminhos para levar o evangelho às culturas e aos mais diversos contextos sociais”, disse.

“O antídoto mais eficaz contra cada forma de violência é a educação na descoberta da aceitação e das diferenças como riqueza e fecundidade”, declarou.

Por esta razão, disse aos bispos ser “essencial” que, nas suas dioceses, “os sacerdotes, religiosos e leigos estejam próximos do diálogo ecumênico e interreligioso”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave