Reservatórios de São Paulo voltam a registrar alta

No Cantareira, o reservatório opera com 11,7% de sua capacidade; já o nível do reservatório Alto Tietê, que também sofre as consequências da seca, opera com 18,8% de sua capacidade

iG Minas Gerais | Folhapress |

Depois de permanecer 21 dias consecutivos em alta, o nível do Sistema Cantareira ficou estável em 11,1% de ontem (26) para hoje (27)
Sabesp/Divulgação
Depois de permanecer 21 dias consecutivos em alta, o nível do Sistema Cantareira ficou estável em 11,1% de ontem (26) para hoje (27)

O nível dos reservatórios da Grande São Paulo apresentou melhora nesta segunda-feira (2). De acordo com dados da Sabesp, todos subiram se comparado com o índice registrado no domingo (1º). No Cantareira, por exemplo, o reservatório opera com 11,7% de sua capacidade.

O Cantareira abastece 6,2 milhões de pessoas na zona norte e partes das zonas leste, oeste, central e sul da capital paulista --eram cerca de 9 milhões antes da crise. Essa diferença passou a ser atendida por outros sistemas.

Desde julho de 2014, em meio à grave crise hídrica, o governo paulista utilizou duas reservas do fundo da represa, conhecidas como volume morto. Esse volume, no Cantareira espalhado em três diferentes represas, é a porção que fica abaixo das tubulações que captam água. E, para ser utilizada, precisa ser bombeada.

A segunda cota do volume morto, de 105 bilhões de litros, começou a ser usada em novembro. Na terça-feira (24), quando o sistema atingiu 10,7% de sua capacidade, o equivalente a ela foi recuperado. Já a primeira cota do volume morto, de 182,5 bilhões, talvez somente possa ser recuperada em um ou dois anos. Isso ocorrerá quando o nível do manancial atingir 29,2%.

Outros reservatórios

Já o nível do reservatório Alto Tietê, que também sofre as consequências da seca, opera com 18,8% de sua capacidade, após subir 0,2 ponto percentual.

O sistema abastece 4,5 milhões de pessoas na região leste da capital paulista e Grande São Paulo. No dia 14 de dezembro, o Alto Tietê passou a contar com a adição do volume morto, que gerou um volume adicional de 39,5 milhões de metros cúbicos de água da represa Ponte Nova, em Salesópolis (a 97 km de São Paulo).

O nível da represa de Guarapiranga, que fornece água para 5,2 milhões de pessoas nas zonas sul e sudeste da capital paulista, avançou de 61,3% para 62,3%,

O reservatório Rio Grande, que atendem a 1,5 milhão de pessoas, subiu 0,3 ponto percentual e opera agora com 85,7%. Já o reservatório Rio Claro, que também atende 1,5 milhão de pessoas, avançou 0,1 percentual. O sistema opera com 38,3%.

O sistema Alto Cotia também teve melhora passando de 40,7% para 40,%. O reservatório fornece água para 400 mil pessoas. A medição da Sabesp é feita diariamente e compreende um período de 24 horas: das 7h às 7h.

Leia tudo sobre: cantareiracrise hídricasão pauloreservatório