Os mais bem pagos do mundo

Parlamentar brasileiro só ganha menos do que os do Japão, dos Estados Unidos e da Austrália

iG Minas Gerais | Isabella Lacerda /Lucas Pavanelli |

Os deputados brasileiros estão entre os mais bem remunerados do mundo. Com salários anuais de R$ 438 mil, os parlamentares tupiniquins só não recebem mais que os japoneses (R$ 752 mil), os norte-americanos (R$ 495.900) e os australianos (R$ 480 mil) dentre os representantes das Câmaras dos países com as maiores economias. Como se esse dado não fosse suficiente para causar indignação, o descompasso é ainda maior: a diferença entre o salário de um deputado e a renda média dos “cidadãos comuns” é bem menor nesses países que no Brasil.

Para se ter uma ideia, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita no Brasil – indicador que mede a riqueza de um país dividida pela sua população – é de R$ 31.900 anuais. Isso significa que, em média, um trabalhador produz R$ 31.900 de riqueza por ano e, segundo o IBGE, tem remuneração anual de R$ 26.025. Já o deputado produz a mesma quantidade de riqueza, mas recebe R$ 438 mil por ano. No Brasil, a diferença entre o ganho médio do brasileiro e de um deputado é de 16,8 vezes. Nos Estados Unidos, onde um norte-americano tem renda média de R$ 151 mil, a proporção entre o salário de um parlamentar e o de um cidadão comum é de 3,3 vezes. Por fim, na Austrália, que tem o maior PIB per capita dentre as nações citadas (R$ 192 mil), o vencimento de um parlamentar é 2,5 vezes maior que a do australiano médio. Na Espanha, Noruega, Alemanha, Itália e Reino Unido – para citar alguns exemplos de países europeus – o custo anual com deputados é menor. Dentre os parlamentares que custam menos a seus cidadãos do que os brasileiros está o espanhol. O salário mensal é de € 2.850, o que equivale a R$ 9.120, ou seja, 3,7 vezes menor do que o do deputado brasileiro. Vizinhos. Na América Latina, os valores pagos pelos nossos vizinhos contribuintes também são mais modestos, apesar de que, em alguns locais, há benefícios como o da verba indenizatória. O salário anual de um deputado argentino é de R$ 230 mil – metade do que recebe um parlamentar brasileiro. No México, o custo é de R$ 177.600. Já no Uruguai, os parlamentares têm salário de R$ 165 mil. A mestre em sociologia e política Antônia Montenegro, da PUC Minas, diz que a estrutura que o Brasil tem com relação aos benefícios para a classe política é “rara”. “Aqui no Brasil, o político virou uma profissão em que todo mundo quer se dar bem. Nos outros países, entende-se que ser político é um cargo temporário, que ele pode ser destituído a qualquer momento. De alguma forma a sociedade em outros países tem mais controle sobre esses indivíduos”, critica a especialista.

Como vive um parlamentar na Suécia? Moradia. Tem direito a um apartamento conjugado de 18 m², com lavanderia comunitária. Salário. É uma vez e meia maior do que o de um professor primário. No Brasil essa relação é 17 vezes maior. Privilégios? Não há pensão vitalícia, plano de saúde privado, carro oficial ou foro privilegiado. Primeiro-ministro. Passou a ter residência oficial depois que Olof Palme foi morto ao sair do cinema.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave