Quem não tem licença se vira

iG Minas Gerais | Rachel Abrams |

Nova York. Uma vez que só a empresa norte-americana Lovehoney pode usar oficialmente o nome “Cinquenta Tons”, outras fabricantes e varejistas do setor tiveram que suar a imaginação. A Pipedream Products, que faz brinquedos eróticos e novidades, redesenhou parte das suas embalagens nos tons de cinza e preto destacados pelo filme.  

A California Exotic Novelties aumentou a linha “Scandal”, que inclui algemas, desde quando o trailer do filme foi lançado, em julho do ano passado.

E a Jimmyjane, conhecida por seus vibradores, está se arriscando pela primeira vez entre os “produtos soft”, com uma nova série de kits fetichistas inspirados no filme que inclui itens como venda para os olhos e gravata de seda. “Eu acho que todo o setor está investindo de alguma forma para lucrar com o filme”, afirma Ramirez, da editora XBIZ.

Mas o setor também tem um pé atrás. “A maneira com que E.L. James (autora dos livros que compõem a trilogia) descreve alguns desses itens não é muito precisa; na verdade, as esferas kegel não têm nada de divertido, é preciso paciência e dedicação para usar do jeito certo”, afirma a presidente da Exotic Novelties, Susan Colvin.

Essas esferas são usadas na arte do pompoarismo, mas também como auxiliar fisioterápico numa série de atividades chamadas “exercícios kegel”, que tem como finalidade fortalecer o músculo pubococcígeo. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave