Despedida em um longo ciclo

Na reta final de “Vitória”, folhetim exibido na Record, Aline Borges se despede de sua personagem

iG Minas Gerais | raquel rodrigues |

“Embora dê um aperto no coração, o que fica é o sentimento de dever cumprido. Levo comigo as belas amizades”
Jorge Rodrigues Jorge/CZN
“Embora dê um aperto no coração, o que fica é o sentimento de dever cumprido. Levo comigo as belas amizades”

Aline Borges já começa a se despedir de Laíza, sua personagem em “Vitória”. No folhetim de Cristianne Fridman, ela vive uma ex-prostituta que deixou o passado para trás e virou sócia de um bar. Lá, faz covers da cantora Liza Minelli e, no decorrer da trama, interpretou cenas fortes ao lado de Gabriel Gracindo, que interpreta o vilão Iago.

Com a proximidade do fim da novela, a atriz vê o processo de desligamento do papel como algo natural. “Embora dê um aperto no coração, o que fica é o sentimento de dever cumprido. Levo comigo as belas amizades que conquistei nesse trabalho e muito aprendizado”, comemora a atriz.

Com o final da novela, acaba também o contrato de Aline com a emissora. Durante os seis anos em que trabalhou na Record, personagens como a Lacraia de “A Lei e o Crime” e a própria Laíza são elencados por ela como os mais marcantes de sua carreira. Por conta disso, a atriz não descarta uma volta à emissora no futuro. “Fiz personagens ricos e distintos, que me permitiram mergulhos profundos. Sou grata pela aposta em meu potencial”, afirma.

Aline ainda se surpreendeu com o final feliz de Laíza ter sido antecipado. O romance entre sua personagem e Jorge, interpretado por André Di Mauro, aconteceu antes do previsto por conta da torcida do público que se manifestava nas redes sociais. “Achei que aconteceria o namoro, mas jurava que seria apenas no último capítulo”, revela. No ritmo de despedida de “Vitória”, a atriz já está focada em outro projeto. Aline retornou ao teatro com a peça infantojuvenil “Encantados”, de Henrique Guimarães, com quem havia trabalhado em “Pecado Mortal”. Após a temporada no Rio de Janeiro, a atriz pretende viajar com o espetáculo. “Depois de alguns anos longe dos palcos, me sinto feliz em falar de algo tão brasileiro e que é pouco abordado como as lendas da Amazônia”, confessa ela, animada com o momento. Preferências

O que falta na televisão: Programa infantil educativo O que sobra na televisão: Programas sensacionalistas Ator: Osmar Prado Atriz: Beth Goulart Com quem gostaria de contracenar: Osmar Prado, Alex Nader e Lília Cabral Se não fosse atriz, o que seria: Cantora Filme: “O Poderoso Chefão”, de Francis Ford Coppola Livro: “Cem Anos de Solidão”, de Gabriel García Márquez Autor: Ariano Suassuna Diretor: Daniel Guivelder Humorista: Chico Anysio

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave