Eletrobrás diz que investimento no Uruguai pode baixar tarifa no Brasil

Estatal vai começar a produzir até 65 MW de energia eólica no parque eólico de Artilleros; é o primeiro projeto da Eletrobrás a gerar energia no exterior

iG Minas Gerais | Folhapress |

Dilma e Mujica, no Uruguai, onde inauguraram o parque eólico, feito em parceria entre Eletrobras e UTE
Reprodução/Twitter
Dilma e Mujica, no Uruguai, onde inauguraram o parque eólico, feito em parceria entre Eletrobras e UTE

A Eletrobrás vai começar a produzir até 65 MW de energia eólica no Uruguai, no parque eólico de Artilleros, a cerca de 170 quilômetros da capital Montevidéu.

O empreendimento é uma sociedade da brasileira com a estatal uruguaia UTE. E se trata do primeiro projeto da Eletrobrás a gerar energia no exterior.

Segundo o presidente da Eletrobrás, José da Costa Carvalho Neto, o investimento pode contribuir para baixar a tarifa paga pelo consumidor no Brasil. Mas para isso é preciso que sobre energia no Uruguai, o que está ocorrendo neste momento.

A energia produzida no parque eólico, suficiente para abastecer uma cidade de cerca de 100 mil habitantes, segundo o executivo, será toda vendida no mercado uruguaio. Em caso de excesso de oferta, a energia poderá ser vendida ao Brasil.

"Isso vai ajudar [a impactar a tarifa que o consumidor paga], porque a importação vai ser feita somente se o preço ofertado for menor do que o das térmicas mais caras que estão operando no Brasil", afirmou Carvalho Neto.

Para que o intercâmbio de energia entre os países ocorra é preciso, porém, que fique pronta uma nova linha de transmissão de energia, para ligar o Uruguai ao Sul do Brasil. Atualmente, existe apenas uma ligação com capacidade máxima de 70 MW.

O presidente da Eletrobrás afirmou que uma nova linha está sendo feita e ligará Candiota, no Sul do Brasil, a São Carlos, na Região Metropolitana de Montevidéu, e que deve ficar pronta em um ou dois meses.

A presidente Dilma Rousseff visitou o projeto neste sábado (28).

Leia tudo sobre: DilmaMujicaUruguaienergiaEletrobras