Mãe cria associação de apoio

Ela se dedica inteiramente à carreira de mãe e à causa de ajudar outras famílias especiais a terem as mesmas condições que ela e o filho têm

iG Minas Gerais | Raquel Sodré |

Uma das presentes no ato do Movimento Direitos Iguais foi Adriane Cristina da Cruz, 38. Ela é mãe João Pedro, 6, que tem paralisia cerebral, o que faz com que ele tenha um grande atraso intelectual e tetraplegia.  

Adriane é criadora da Associação Mães que Informam (AMI), que tem como objetivo apoiar e informar familiares de crianças com necessidades especiais.

“O Brasil é um país que não entende a deficiência. Eu mesma tenho só seis anos de deficiência, desde que virei mãe do João. Hoje eu entendo a deficiência e não quero ser mais um grito, quero ser uma voz com sentido”, afirma.

Em sua associação, ela informa às mães onde encontrar os serviços de que elas necessitam, além de instrui- las sobre como obter os benefícios a que têm direito.

Mas seu trabalho também tem um outro aspecto. “Os meninos precisam crescer, ter sua independência. Muitos deles são inteiramente capazes de trabalhar. Nós ajudamos essas mães a entenderem essas coisas e esses meninos a crescerem”, diz.

Ela se dedica inteiramente à carreira de mãe e à causa de ajudar outras famílias especiais a terem as mesmas condições que ela e o filho têm. “O João Pedro recebe todos os benefícios a que tem direito. Eu tenho um cuidador da prefeitura (de Belo Horizonte), que vai até nossa casa todos os dias, e o carro (da PBH) pega ele em casa para os tratamentos”, orgulha-se.

Quem quiser o auxílio da AMI pode entrar em contato com Adriane pelo e-mail associacaomaesqueinformam@gmail.com, ou pela página www.facebook.com/associacaoami. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave