Para atrair médico à rede pública, governo cria bônus em residência

Ao fim de dois anos de curso em medicina da família, profissionais terão direito a 10% de bônus para ingresso em outros programas de residência

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

A Comissão Nacional de Residência Médica aprovou na quinta-feira (26) uma resolução que garante bônus em futuras provas de residência para os médicos que optarem pelos cursos de medicina de família.

A medida, semelhante à aplicada no programa Mais Médicos, é uma forma de atrair mais profissionais para a área e, em seguida, para atuar na rede pública.

Com isso, ao fim de dois anos de curso em medicina da família, profissionais terão direito a 10% de bônus para ingresso em outros programas de residência. A decisão será publicada em portaria no "Diário Oficial da União" nos próximos dias.

Em nota, o Ministério da Educação diz que a mudança ocorreu como forma de adequar a proposta à lei dos Mais Médicos, que também passou a ofertar 10% de bônus nas provas de residência neste ano para os médicos participantes do programa.

Ao todo, serão ofertadas 1.600 vagas para medicina geral de família e comunidade em 2015. Atualmente, o Brasil tem mais de 4.000 especialistas na modalidade e mais de 30 mil equipes atuam nas unidades de saúde por meio do Estratégia Saúde da Família, segundo a pasta.

Leia tudo sobre: médicorede públicagovernobônusresidência