Bons negócios nascem no bar

Patrocinadores ativam suas marcas e lucram em novos nichos de mercado

iG Minas Gerais | Janine Horta |

Surpresa. 
Um dos bares participantes do Comida di Buteco 2015  já tem sua sobremesa com iogurte
DENILTON DIAS / O TEMPO
Surpresa. Um dos bares participantes do Comida di Buteco 2015 já tem sua sobremesa com iogurte

O que pode ter a ver um iogurte com um boteco? E um chiclete? Depende de como esses e outros produtos e serviços são apresentados ao público. Se a estratégia de marketing é boa, há um verdadeiro casamento entre as empresas patrocinadoras e o evento nascido em Minas Gerais há 16 anos e que, atualmente, está presente em 20 cidades brasileiras: o Festival Comida di Buteco.

Que o diga a PepsiCo, que patrocina o concurso há sete anos. Somente em 2014, a empresa vendeu 120 mil pacotes do salgadinho Doritos nos diversos bares participantes do Comida di Buteco, em todo o Brasil. Embora o tema do concurso de 2014 fosse de livre criação (neste ano o tema são as frutas), a marca desenvolveu um concurso complementar ao evento, premiando um bar por cidade que desenvolvia o melhor petisco contendo tortilhas de Doritos em suas receitas. Em 2015 o Doritos continua nos bares, mas a novidade trazida pela PepsiCo são as batatas Lay’s. A gestora de Comunicação e de Operações do Comida di Buteco, Flávia Rocha, explica que nenhum bar é obrigado a pagar, comprar e nem a usar os produtos dos patrocinadores. “Mas todo mundo ganha: bares, público e empresas. Definimos o Comida di Buteco como uma corrente do bem. Melhorias são feitas nos bares, na comida e nas instalações, o que agrada o público. Empregos são gerados, o movimento aumenta, as vendas crescem. Há um círculo virtuoso”, comenta. Novos usos. Mais que reativar uma marca em nichos ainda pouco explorados, a participação do patrocinador costuma ter a ver também com uma estratégia da empresa voltada especificamente para o Estado. Flávia conta o exemplo da Nestlé, que patrocinou o concurso durante cinco anos, período para lançamento de uma unidade regional em Minas Gerais. “Nesse caso a empresa ficou até atingir seu objetivo de ativação da marca em Minas Gerais”, diz Flávia. Assim, os patrocinadores mudam de cidade para cidade, ou entre os Estados, conforme o foco das empresas em divulgar seus produtos. Sem revelar o valor das cotas de patrocínio, Flávia informa que, em Belo Horizonte, há um patrocinador na categoria master: Ambev, com a cerveja Brahma (no ano passado, era a Bohemia) e três na categoria intermediária: Gasmig, Mondeléz Internacional (chicletes Trident) e PepsiCo (Lays). “Há uma terceira categoria, que é a dos apoiadores que nem sempre entram com apoio financeiro, mas divulgam o evento, como os jornais O TEMPO e Pampulha”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave