Para unir formas e forças

iG Minas Gerais | Giselle Ferreira |

Juntos: Coletivo Movasse convida novos e antigos parceiros para integrar mostra
Ed Félix
Juntos: Coletivo Movasse convida novos e antigos parceiros para integrar mostra

A julgar por estes dois primeiros meses do ano, intercâmbio é a palavra de 2015 em Belo Horizonte. Depois de mais de um mês de vasta programação que visava proporcionar passeios de públicos e artistas por entre todas as esferas da arte no Verão Arte Contemporânea (VAC), o Coletivo Movasse ocupa o teatro Alterosa por quatro dias para propor os mesmos diálogos. A partir da intenção de que a arte seja um campo construído coletivamente, será realizada de quinta (5) a domingo (8) a segunda edição da mostra “Movasse & Parceiros em Cena”, que contempla quatro espetáculos de dança, um de teatro, outro de música e variados encontros. 

  “Não estamos focados apenas nas apresentações, somos um evento político. Já são nove anos de muitas reuniões e uniões, mas a ideia agora é somar mesmo as forças, já que junto a gente se fortalece. Por isso propomos essa troca e esse trânsito livre. É um evento cheio de coisa nova, todo fresco. Estamos apaixonados por ele”, comenta a dançarina Ester França, integrante do Movasse, sobre todas as estreias que compõem a mostra.    Abertura   Na noite de abertura, o novo espetáculo “Para Desacreditar no Amor”, de Mariana Muniz, abre os trabalhos às 21h. Os músicos Kiko Klaus, Pedro Durães, Rafael Martini e Xande Pires apresentam pela primeira vez o show “O Homem pós Máquina” (uma “obra em construção que ainda vai virar disco”, segundo o pernambucano Klaus).    Os dançarinos do Dança Jovem – projeto de passagem entre as academias e o mercado que o Movasse conduz há dez anos – estreiam as montagens de “Quem Com o Quê” e “Em #todolugar”, dirigidos, respectivamente, por Sarah Vaz e Carolina Padilha, ex-integrantes do projeto.   Na mesma noite, as belo-horizontinas Cibele Maia e Luciana Lanza releem “Monumento – Terceiro Estudo Sobre Legado”.    Já no dia de encerramento da mostra, uma mesa redonda precede o espetáculo. O “I Encontro de Políticas Públicas Para a Dança – Mecanismos de Fomento” reforça a vontade do grupo por novas alianças e conversas. Artistas como Makely Ka e Adriana Banana integrarão a mesa, que também conta com a presença do presidente da Fundação Municipal de Cultura, Leônidas José de Oliveira.   Para eles, a urgência na pauta das reivindicações é por setorização dos recursos destinados à arte em Minas, já que consideram difícil e injusto que manifestações artísticas distintas sejam consideradas pelo poder público como concorrentes.    A já clássica e sempre inédita “Playlist” fecha o final de semana com movimentos improvisados pelos convidados Sônia Mota – artista de São Paulo que exerceu um papel decisivo no cenário da dança contemporânea brasileira ao inovar com o método “A Arte da Presença” –, Jomar Mesquita – bailarino da Mimulus, que mescla dança de salão e contemporânea – e Mário Nascimento. Três artistas de três diferentes linguagens, para ilustrar o desejo do coletivo por integração e diversidade.    “Todo o evento tem um caráter de construção e colaboração, mais ou menos no mesmo esquema como funciona um espetáculo de improvisação. Em ‘Playlist’ a gente radicaliza isso, ali a gente gosta mesmo é de misturar e bagunçar o coreto. Vamos estar entre amigos, parceiros que o tempo escolheu pra gente, então acho que vai ser tudo muito legal”, conta Andrea Anhaia, integrante do coletivo, lembrando também que a participação do público é determinante em “Playlist”. Dentre oito temas com trilhas correspondentes, a plateia é quem dita o humor dos passos.   Coletivo Movasse & Parceiros em Cena Teatro Alterosa (av. Assis Chateaubriand, 499, Floresta, 3237-6611). De 5 a 8/3. R$ 15 (inteira). O "I Encontro de Políticas Públicas para a Dança - Mecanismos de Fomento e Passos para Expansão" acontecerá às 9h30 do domingo (8), com entrada gratuita. Outras informações em movasse.com.br.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave