Em bairros vizinhos ao visitado por Dilma, entrega está atrasada

Chaves das 920 novas moradias do Minha Casa, Minha Vida que foram entregues pela presidente Dilma Rousseff, nos residenciais Solar da Princesa 3 e 4

iG Minas Gerais | Folhapress |

Brasil não deve ouvir
Roberto Stuckert Filho/PR
Brasil não deve ouvir "certas considerações" sobre Copa, diz Dilma

Moradores de Feira de Santana (BA) se aglomeravam, na tarde desta quarta-feira (25), para receber as chaves das 920 novas moradias do Minha Casa, Minha Vida que foram entregues pela presidente Dilma Rousseff, nos residenciais Solar da Princesa 3 e 4.

Mas a cinco quilômetros dali, nos bairros de Asa Branca e Caraíbas, os futuros moradores de outros três residenciais do mesmo programa federal ainda não sabem quando irão receber as chaves de 2.264 imóveis que deveriam ter sido entregues no ano passado.

Cadastrada para receber um apartamento no residencial Parque dos Coqueiros, a diarista Ana Carolina Silva Santos, 37, teve que voltar para a casa da mãe com duas filhas e uma neta, na semana passada, porque não conseguia mais pagar um aluguel de R$ 280.

A diarista diz que, quando se cadastrou no Minha Casa, Minha Vida, foi informada que receberia as chaves em dezembro. Desde então, ela já foi sete vezes à secretaria municipal de Habitação, que faz a seleção dos beneficiários, mas não recebeu nova previsão de entrega.

"A gente estava tão animada, estava programando tudo para passar o Natal e o Réveillon lá", disse.

Em frente ao conjunto habitacional, uma placa indica que as 540 unidades habitacionais começaram a ser construídas em dezembro de 2012, mas o trecho que indicava a data prevista para término das obras foi apagado.

Na mesma rua, o residencial Vida Nova Asa Branca, com 996 unidades, deveria ter sido concluído em 28 de maio de 2014, de acordo com a placa no local, mas o condomínio continua fechado e vazio.

Por fora, a estrutura dos dois conjuntos aparentam estar avançadas -há pintura nova, vidros nas janelas, playground e quadra poliesportiva. Em frente ao empreendimento, contudo, operários trabalham em obras de esgotamento sanitário.

Já no residencial Vida Nova Caraíba, no bairro Caraíbas, as próprias casas ainda estão em obras. Uma das futuras moradoras que aguarda a conclusão é a dona de casa Laura de Jesus, 40. Ela paga R$ 350 de aluguel para morar com os dois filhos enquanto não recebe a chave da casa nova.

"Era para ter sido entregue agora em dezembro, mas não tem previsão de quando vai ser", disse. No local, as obras foram cercadas com tapumes de madeira, e uma placa indica que as 728 residências teriam que ter sido concluídas em 28 de dezembro do ano passado.

OUTRO LADO

O Ministério das Cidades, que gere o Minha Casa, Minha Vida, afirmou que a Caixa e o Banco do Brasil, que acompanham a execução das obras, deveriam explicar o motivo dos atrasos.

Responsável pelas obras dos residenciais Parque dos Coqueiros e Vida Nova Caraíba, o Banco do Brasil afirmou que "as datas de inauguração inicialmente informadas para empreendimentos do tipo devem ser consideradas como previsão".

Disse que "os cronogramas de execução preveem variações nas datas de entrega", e que a inauguração dos dois conjuntos está "prevista para o primeiro trimestre de 2015".

A Caixa, responsável pelo residencial Vida Nova Asa Branca, afirmou por nota que "houve solicitação de prorrogação do cronograma pela construtora responsável pela obra, que após análise, foi acatada pela equipe técnica da Caixa".

Disse ainda que a conclusão das obras está prevista para abril e que a entrega dos imóveis deverá ocorrer em maio.

O secretário de Habitação de Feira de Santana, Sandro Lima, afirmou que a responsabilidade da prefeitura nos empreendimentos é fazer a distribuição dos imóveis entre os futuros moradores, o que já foi realizado no Parque dos Coqueiros e está em fase final nos outros dois condomínios.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave