Suposto pai de bebês gêmeos executados diz ser ameaçado em presídio

Novo advogado de Matuzalém Ferreira Júnior planeja pedir transferência para cuidar da segurança do cliente

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

Izabella Marques Gianvechio e seus filhos gêmeos
Polícia Civil / Divulgação
Izabella Marques Gianvechio e seus filhos gêmeos

O suposto pai dos bebês gêmeos de Uberaba, no Triângulo Mineiro, Matuzalém Ferreira Júnior, 49, preso por ser suspeito de mandar matar as crianças e a mãe delas, Izabella Marquez Gianvechio, 22, com quem teve um caso extraconjugal, afirma estar sendo ameaçado por outros detentos na Penitenciária Professor Aluízio Ignácio de Oliveira, na cidade, segundo o seu novo advogado, o criminalista Marcus Fernandes Junior.

De acordo com o defensor, para cuidar da segurança do cliente, essa será a primeira ação que ele pretende tomar no caso. “Os presos estão muito alvoroçados lá. Vou conversar mais uma vez com ele, e talvez pedir a mudança para Igarapava (SP), que é a comarca onde aconteceu o crime”, revelou.

Marcus assumiu a defesa de Matuzalém na última sexta-feira (20) e já visitou o preso três vezes. Ele ainda não tem uma estratégia para defender o suspeito. “Eu ainda não peguei o processo todo, não li os autos”, afirmou.

Um amigo de Matuzalém foi quem entrou em contato com Marcus para que ele fosse conversar com o preso e o defendesse. Este é o segundo advogado do suspeito no caso. O primeiro, Odilon dos Santos, desistiu, no dia 18 de fevereiro, após descobrir, segundo ele, que Matuzalém mentia sobre o seu envolvimento.

Relembre o caso

Izabella foi encontrada morta entre Aramina e Buritizal, no interior de São Paulo, na quinta-feira,12 de fevereiro, quando deixou a sua casa em Uberaba com os gêmeos. De acordo com as investigações da polícia, ela insistia para que Matuzalém, casado e pai de dois filhos, reconhecesse a paternidade dos bebês Ana Flávia e Lucas, de menos de dois meses de vida.

Em depoimento na delegacia, Matuzalém contou que comentou sobre a insistência de Izabella com o amigo Antônio Moreira Pires, o "Pedrão", de 37, que mora em Sacramento, ao que “Pedrão” teria dito: “marca de encontrar com ela e fala que vai resolver, aí a gente dá um susto nela”.

Foi assim que o suposto pai dos gêmeos ligou para a vítima e disse que queria conhecer as crianças. Na quinta-feira, dia combinado, Izabella foi ao local determinado pelo suspeito, em Uberaba. Pouco depois de entrar no carro onde estava Matuzalém, entrou também no veículo “Pedrão”. Depois disso, eles seguiram para Aramina, que fica a cerca de 45 quilômetros de distância da cidade mineira.

Em uma zona deserta da cidade, ainda no carro, “Pedrão” executou a mulher com um tiro na cabeça, segundo Matuzalém. Depois disso, “Pedrão” desceu do veículo com os dois bebês, e o suposto pai conta que escutou dois disparos. O corpo da jovem encontrado a cerca de 4 quilômetros de distância de onde foram encontrados os bebês, foi reconhecido pelo pai dela no sábado (14).

Já os corpos dos gêmeos foram encontrados na terça-feira (17), depois que o suposto pai confessou o envolvimento no crime e levou os policiais para o local das execuções. Além dos corpos dos gêmeos, estava também no local a arma que possivelmente foi utilizada nos assassinatos. Matuzalém e "Pedrão" estão detidos de forma provisória no presídio de Uberaba.

Leia tudo sobre: advogadoameaçasuposto paibebês gêmeos