Janot vai a Uberlândia em repúdio a atentado contra promotor

Promotor, que trabalha no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), sofreu o atentado durante exercício de suas funções no plantão da Promotoria de Justiça de Monte Carmelo

iG Minas Gerais | Fausto Macedo e Julia Affonso |


Rodrigo Janot informou a três deputados o motivo de sua decisão
Agência Senado
Rodrigo Janot informou a três deputados o motivo de sua decisão

São Paulo, 26 (AE) - Em meio à investigação envolvendo políticos da Operação Lava Jato, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, participa nesta sexta-feira, 26, de ato público em Uberlândia (MG) em repúdio ao atentado sofrido pelo promotor de Justiça em Monte Carmelo, Marcus Vinícius Ribeiro. O crime ocorreu no dia 21 de fevereiro.

O promotor, que trabalha no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), sofreu o atentado durante exercício de suas funções no plantão da Promotoria de Justiça de Monte Carmelo. De acordo com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o ataque ao membro do Ministério Público é uma afronta ao regime democrático. "Não se pode transigir em nenhum momento com a corrupção e o crime organizado. A reação que se pretende é a reação institucional."

Ribeiro foi baleado na cidade de Alto Paranaíba, no Triângulo Mineiro, na noite de sábado. Ele foi socorrido e permanecia internado em hospital de Uberlândia, a cerca de 100 quilômetros.

O filho de um ex-vereador da cidade de Monte Carmelo (MG) confessou ter cometido o crime. O ex-vereador, que perdeu o cargo em razão de uma ação movida pela vítima, é suspeito de ser o mentor do crime. Os dois estão presos por tentativa de homicídio.

Marcos Vinícius Ribeiro Cunha saía do plantão no Ministério Público local quando foi baleado por um motociclista. O atirador efetuou 12 disparos de arma de calibre 38 contra o veículo do promotor. Três tiros o atingiram nas costas.

Leia tudo sobre: Rodrigo JanotPolíticaUberlândia