COI recua e libera publicidade durante Rio-2016

Até então, os atletas eram proibidos de anunciar marcas concorrentes aos dos patrocinadores dos Jogos

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Coube a federação de natação dos EUA, a USA Swimming, anunciar o retorno do astro, nesta segunda-feira
Associated Press
Coube a federação de natação dos EUA, a USA Swimming, anunciar o retorno do astro, nesta segunda-feira

Os atletas venceram a queda de braço com os dirigentes do COI (Comitê Olímpico Internacional). Nessa quinta (26), o comitê executivo da entidade liberou a participação de esportistas em campanhas publicitárias "genéricas" durante os Jogos do Rio.

Até então, os atletas eram proibidos de anunciar marcas concorrentes aos dos patrocinadores do COI no período dos Jogos. Os esportistas corriam o risco até de exclusão da Olimpíada.

Logo após os Jogos de Londres, a norte-americana Lashinda Demus, medalha de prata nos 400 m com barreiras, iniciou o movimento.

O ex-nadador Michel Phelps quase perdeu suas seis medalhas (quatro de ouro e duas de prata) conquistadas em Londres por ter feito um anúncio para uma marca de roupas.

As fotos de Phelps para a marca francesa Louis Vuitton foram divulgadas no dia 12 de agosto de 2012, a três dias do final do período imposto pelo COI para a restrição de publicidade aos atletas.

A vitória dos atletas vai obrigar o COI a mexer no cápitulo 40 da Carta Olímpica, que regulava a publicidade.

Na ocasião, os atletas protestaram pelo twitter. A maioria dos posts simplesmente dizia "tenho orgulho de ser um atleta olímpico, mas exigimos mudanças na regra 40". Diversos atletas americanos postaram mensagens quase simultaneamente no Twitter, de maneira coordenada.

O COI alegava a ameaça a Phelps era uma tentativa de "proteger o dinheiro que entra nas Olímpiadas". Segundo a entidade, os atletas que reclamavam eram "sortudos" por terem grandes patrocinadores.

Leia tudo sobre: coiatletasjogos olimpicos do rio de janeiro2016