Jornalistas presos por uso de drone em Paris são liberados

Três repórteres da rede de televisão Al-Jazeera (Catar) foram detidos na capital francesa após

iG Minas Gerais | AFP |

Os três jornalistas da rede de televisão Al-Jazeera (Catar) detidos na quarta-feira (25) por fazer um drone voar em Paris foram libertados nesta quinta-feira (26), mas um deles comparecerá a um tribunal, informou uma fonte judicial.

Um deles, o que pilotou o drone, será convocado na próxima semana a um tribunal que pronunciará uma condenação dentro de um procedimento de reconhecimento de culpa, acrescentou a fonte, que não informou a que o jornalista pode ser condenado. Os outros dois ficaram livres sem acusações.

Os três haviam sido detidos na quarta-feira (25) na floresta de Boulogne, no oeste de Paris.

O sobrevoo de drones sem autorização está proibido na capital francesa.

As detenções ocorreram num momento em que a polícia francesa investiga sem êxito há vários meses sobrevoos misteriosos de drones sobre instalações estratégicas, como usinas nucleares e uma base de submarinos, e sobre a sede da presidência francesa.

Nesta semana, durante duas noites consecutivas, foram avistados vários drones sobrevoando Paris, entre outros locais perto da embaixada americana. A justiça francesa abriu uma investigação.

No entanto, uma fonte próxima ao caso indicou na quarta-feira que "não existe nenhum vínculo entre as detenções na floresta de Boulogne dos jornalistas" da Al-Jazeera "e os sobrevoos das noites anteriores".

Não foi revelada a identidade dos três jornalistas, apenas suas idades, 34, 52 e 68 anos.

O primeiro, que trabalha no escritório do canal informativo em Paris, recebeu em novembro o drone do escritório de Londres. Ele contratou os outros dois jornalistas independentes para realizar esta reportagem. Era ele quem teleguiava o drone, enquanto um de seus colegas filmava o aparelho e o terceiro falava na reportagem.

O drone foi apreendido.

Leia tudo sobre: dronesparisjornalistaspresosal jazeera